Dilma vai ao CE e foca temas da família

Presidenciável petista desembarca hoje em Fortaleza, berço político de Ciro Gomes, que[br]também é pré-candidato

Leonencio Nossa e Ana Paula Scinocca, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2010 | 00h00

Em viagens para promover sua campanha à Presidência, a petista Dilma Rousseff pretende discutir e apresentar propostas de combate a dramas vividos pelas famílias das pequenas e grandes cidades. Há meses, a própria pré-candidata recolhe depoimentos de mães e pais sobre problemas do dia a dia, como falta de creches, baixa remuneração das mulheres, primeiro emprego dos jovens e uso de drogas ilegais.

Hoje, ela desembarca em Fortaleza - berço do também presidenciável Ciro Gomes (PSB) -, onde à noite recebe o título de cidadã da Câmara Municipal. Amanhã, Dilma participa de almoço oferecido pelo jornal O Povo com representantes da sociedade civil cearense. Na agenda dela ao Ceará estava prevista também uma visita ao Horto, local de orações dos devotos de Padre Cícero, em Juazeiro do Norte. Dilma adiou a visita para o próximo mês.

Num momento em que o PT tenta convencer Ciro a desistir da candidatura a favor de Dilma, a pré-candidata busca focar em temas menos partidários e mais voltados à realidade do eleitorado. Um tema que já entrou no projeto da petista é o tratamento dos dependentes de crack.

Ao mesmo tempo em que tenta ir além da imagem de ex-gerente de grandes obras de infraestrutura, Dilma terá o desafio de conquistar o eleitoral juvenil e feminino com temas que não estavam sob a coordenação da sua pasta, a Casa Civil. Como o próprio governo reconhece que não teve sucesso nos projetos de alguns desses setores, a candidata faz questão de reconhecer as dificuldades e mostrar disposição para resolver os problemas.

Depois de conversar com duas mães de dependentes e se debruçar em relatórios e estudos sobre a droga, a petista esboça um projeto que prevê uma ampla parceria entre todas as esferas de governo, a Igreja Católica, as igrejas evangélicas e as entidades espíritas. As igrejas estão à frente até mesmo de entidades públicas no trabalho de tratamento de dependentes, com clínicas de reabilitação espalhadas pelo País.

Na última quinta-feira, Dilma defendeu num encontro do PCdoB uma ''mobilização nacional'' contra o crack. Ela, no entanto, se adiantou em dizer que é contra a descriminalização das drogas. Para Dilma, o combate à droga se dá com repressão, terapia e prevenção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.