Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Dilma vê campanha de difamação e quer contra-ataque

Presidente espera que ministros e cúpula do PT mostrem ''assertividade'' na defesa de Palocci e não deixem nenhuma denúncia sem resposta

Vera Rosa e Tânia Monteiro / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2011 | 00h00

O governo avalia que a crise envolvendo o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, vai se prolongar e reforçará a estratégia de blindagem de seu mais importante articulador político. Em conversas ao longo do dia, no Palácio da Alvorada, a presidente Dilma Rousseff cobrou explicações sobre as denúncias contra Palocci e determinou o contra-ataque.

Pelo script traçado, nenhuma denúncia deve ficar sem resposta e tanto os ministros como a cúpula do PT precisam mostrar "assertividade" na defesa do chefe da Casa Civil. Ao receber para o almoço o presidente do PT, Rui Falcão, Palocci e o ministro de Relações Institucionais, Luiz Sérgio, Dilma adotou a máxima do antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva. Recomendou "sangue-frio e nervos de aço" para reagir às acusações, pois, no seu diagnóstico, há uma campanha de "difamação" contra Palocci.

Lula ligou para o ministro no domingo e ontem, manifestando apoio a ele. O ex-presidente também tem conversado com Dilma por telefone. Falcão negou que o caso Palocci tenha sido tratado no almoço, mas defendeu o chefe da Casa Civil. "Palocci é um ministro acima de qualquer suspeita. Não há fator de preocupação no governo", disse ele. Deputado estadual, o presidente do PT fez coro com a linha geral adotada até aqui pelos aliados. "Ele já deu todas as explicações necessárias."

Com Palocci alvejado, o descontentamento do PT com a composição do segundo escalão não foi o principal prato do almoço no Alvorada. "Não trato de varejo. Quero construir uma interlocução política com a presidente e estamos dando suporte ao governo", afirmou Falcão.

Apesar da aparência de tranquilidade, o clima no governo é tenso. Dilma passou o dia reunida com auxiliares, no Alvorada, pedindo esclarecimentos sobre cada denúncia publicada contra Palocci. O chefe da Casa Civil acompanhou a maioria dos encontros, munido de vários documentos.

Guerra. A operação de guerra para blindar Palocci e espantar a crise reuniu os ministros Guido Mantega (Fazenda) e José Eduardo Martins Cardozo (Justiça). Após ler reportagem do Estado, segundo a qual o Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) comunicou à Polícia Federal uma transação suspeita da consultoria Projeto, de Palocci, na compra de imóvel pertencente a empresa sob investigação policial, Dilma quis informações do órgão.

"Não há nenhum inquérito aberto para apurar nada em relação ao ministro Palocci e a empresa que a ele pertence", insistiu Cardozo. "Em nenhum momento a Polícia Federal solicitou ao Coaf qualquer informação específica sobre essa empresa. Qual é o fato, qual é a denúncia? Aumento patrimonial não é crime."

Cardozo deu as declarações após audiência pública na Comissão de Segurança da Câmara. Chamado por Dilma, ele interrompeu o discurso para atender à ligação da presidente, mas retornou em seguida.

À tarde, após outro encontro no Alvorada - desta vez reunindo Dilma, Palocci, Mantega e Cardozo -, o Ministério da Fazenda divulgou nota dizendo que o Coaf "não enviou relatório à Polícia Federal comunicando que a empresa Projeto fez operação financeira suspeita".

O advogado-geral da União (AGU), Luís Adams, e o controlador-geral da União (CGU), Jorge Hage, também foram chamados ontem por Dilma. A CGU é a repartição do Executivo responsável por auditorias e fiscalizações para verificar como o dinheiro público é aplicado.

Ana de Hollanda. Sem avaliar o mérito das acusações publicadas pela imprensa até agora, auxiliares de Dilma afirmam, em conversas reservadas, que a imprensa e a oposição querem "derrubar" um ministro de Dilma a qualquer preço, no primeiro ano de governo. Dizem que, antes, a queda esperada era a de Ana de Hollanda, titular da Cultura. Hoje, seria a de Palocci. No Planalto, o comentário mais ouvido sobre o destino do ministro da Casa Civil é: "Cada dia com sua agonia".

Despreocupado

RUI FALCÃO

PRESIDENTE NACIONAL DO PT

E DEPUTADO ESTADUAL (SP)

"Palocci é um ministro acima de qualquer suspeita. Não há fator de preocupação no governo. Ele já deu as explicações necessárias"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.