Diplomata italiano sofre sequestro relâmpago no DF

Marco Chirullo foi abordado na Asa Sul e libertado meia hora depois na cidade-satélite de Ceilândia

Vannildo Mendes - Agência Estado,

03 Outubro 2012 | 16h25

Texto atualizado às 22h30.

BRASÍLIA - O diplomata italiano Marco Chirullo, que integra a missão da União Europeia em Brasília, foi vítima de sequestro relâmpago na Asa Sul, a poucos quilômetros do Palácio do Planalto. Ele ficou meia hora em poder dos bandidos, antes de ser deixado na cidade-satélite de Ceilândia. O caso ocorreu na noite desta terça-feira, 2. O Itamaraty informou que aguarda uma comunicação da Embaixada Italiana ou da União Europeia, para pedir esclarecimentos ao governo do Distrito Federal.

Chirullo, de 37 anos, é segundo-secretário de Assuntos de Comércio da União Europeia e está no País há três anos. O diplomata foi surpreendido por dois homens armados, por volta das 21h40, enquanto esperava uma amiga na Superquadra 408. Os bandidos levaram o carro do italiano, que não sofreu ferimentos, além de dinheiro, um celular e outros objetos.

A amiga do diplomata também foi abordada, quando se aproximava do veículo, mas conseguiu escapar e acionou rapidamente a Polícia Militar por telefone. O italiano ficou em poder dos sequestradores por meia hora, mas não revelou sua condição de diplomata. Em seu depoimento, relatou que teve sangue frio diante da situação e não se precipitou. Os bandidos, possivelmente inexperientes, também não se deram ao trabalho de conferir nem a placa do veículo - que era oficial e acabou abandonado intacto.

Na mesma superquadra, Déborah Crivella, filha do ministro da Pesca, Marcelo Crivella, sofreu uma tentativa de sequestro em agosto. Ela aproveitou-se de uma distração dos bandidos e saltou do carro em movimento.

A delegada Mabel de Faria, titular da 1.ª DP, informou ser remota a possibilidade de ligação entre o sequestro do diplomata e o da filha de Crivella. Mas não descarta totalmente a hipótese.

A 1.ª DP já abriu um inquérito, mas as buscas dos criminosos estão prejudicadas porque a Polícia Civil está em greve há mais de 40 dias por aumento de salário. Na tarde desta quarta-feira, 3, o carro do diplomata, um Toyota RAV4, foi achado por uma equipe do 9.º Batalhão da Polícia Militar na cidade-satélite do Gama, a 35 quilômetros do Plano Piloto.

Pouco depois, no mesmo local, um adolescente de 16 anos foi apreendido como suspeito de ligação com os bandidos. Procurada, a Embaixada da Itália não se manifestou sobre o caso.

Em alta. Roubo com restrição de liberdade, como o sequestro relâmpago está tipificado no Código Penal, é a modalidade de crime que mais cresce hoje no Distrito Federal. Em 2011, foram registrados 675 casos no Plano Piloto e cidades-satélites. De janeiro a setembro deste ano, houve um aumento de 27% no número de casos, em relação a igual período do ano passado.

O secretário de Segurança Pública, Sandro Avelar, informou que há quatro meses foi adotado o plano de segurança Ação pela Vida, destinado a reduzir as estatísticas de criminalidade. O número de homicídios subiu 9% no primeiro semestre e o de latrocínio, 5%.

O governo local também pediu ajuda federal e o Ministério da Justiça enviou um grupo de cem homens da Força Nacional para atuar em áreas violentas da região do Entorno.

Mais conteúdo sobre:
diplomatasequestroDF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.