Diplomatas não cometam atitude de piloto americano

O Ministério das Relações Exteriores e a Embaixada dos Estados Unidos no Brasil esquivaram-se de comentar a prisão do comandante do vôo da American Airlines que, ao ser fotografado pela Polícia Federal no aeroporto de Guarulhos, fez gesto obsceno para o policial federal. Para não dar proporções de incidente diplomático ao caso, o ministério não se manifetou e a embaixada recomendava a imprensa a procurar o consulado americano em São Paulo.O Departamento de Polícia Federal também sugeria contato com a superintendência do órgão em São Paulo. Extraoficialmente,entretanto, a assessoria da PF tratava a prisão do comandante como procedimento burocrático normal que não poderiatransformar-se em incidente diplomático. A PF enfatizava que a prisão independeu da nacionalidade do comandante. Poderia serum japonês ou um italiano, diz a PF, se tivesse feito gesto semelhante também seria preso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.