Diques colaboraram para enchentes em Campos, no Rio

Chuvas no Estado já deixaram mais de 10 mil desabrigados e desalojados e afetaram quase 485 mil

Talita Figueiredo e Elvis Pereira, O Estado de S.Paulo e estadao.com.br

03 de dezembro de 2008 | 19h41

Em vôo realizado nesta quarta-feira, 3, sobre a cidade de Campos, no norte fluminense, técnicos da Secretaria de Rios e Lagoas (Serla) e da Universidade Estadual do Norte Fluminense, descobriram a existência de diversos diques construídos irregularmente em trechos de rios que cortam propriedades rurais localizadas dentro do município.   Segundo o professor José Carlos Mendonça, da Uenf, as os diques contribuíram para a enchente do Rio Ururaí que alagou diversos bairros da cidade e precisam ser demolidos para que água escoe corretamente. Campos é o município mais atingido pelas chuvas que caem sobre o Sul e Sudeste do País há mais de uma semana. No Estado, seis municípios continuam em situação de emergência e há 7.359 desalojados e 2.722 desabrigados.   Apesar de ter chovido nesta quarta, o Rio Ururaí continuou baixando. O Estado enviou à cidade mais 115 bombeiros de quartéis do Rio para reforçar os 254 lotados em Campos. O secretário Estadual de Saúde, Sérgio Côrtes, também sobrevoou a cidade. "Estamos preocupados com as doenças que surgem após os casos de inundações, como viroses, gripe, leptospirose, hepatite A e diarréias. Por isso já determinei que o Superintende de Vigilância em Saúde, Victor Berbara, se desloque para cá, para ajudar no trabalho dos agentes de vigilância do município nos abrigos", disse Côrtes.   A Defesa Civil Estadual informou ontem ter arrecadado na última semana 35 toneladas de alimentos, roupas, produtos de limpeza e de higiene pessoal para envio às vítimas das enchentes em cidades do interior fluminense e para Santa Catarina. Deste total, 10 toneladas foram encaminhadas para Campos e Rio Bonito (cinco toneladas para cada). Para a população catarinense seguiram outras cinco toneladas. O resto está embalado e em condições de seguirem para as cidades que necessitarem.   Nesta quarta, duas mulheres grávidas precisaram ser resgatadas para atendimento médico de helicóptero de um abrigo provisório montado em Campos, no norte fluminense, para acolher as vítimas das chuvas fortes que atingem o município desde o último fim de semana. Elas foram atendidas no hospital da cidade e passam bem.   Balanço   As chuvas já afetaram mais de 484.405 pessoas no Rio. Segundo a Defesa Civil, nas últimas 24 horas, os alagamentos obrigaram cerca de 30 moradores de Santa Maria Madalena, na região Serrana, e de Macaé, no norte do Estado, a irem para a casa de parentes. Duas pessoas morreram em Rio Bonito e uma em Volta Redonda. Campo dos Goytacazes apresenta a pior situação. Os 13 abrigos montados provisoriamente em prédios públicos da cidade receberam 385 famílias.   Os seis municípios que continuam em situação de emergência são Carapebus (Norte), Silva Jardim (Litorânea), Paracambi (Baixada Fluminense), Barra do Piraí (Centro-Sul), Rio Bonito e Campos dos Goytacazes. A Defesa Civil permanece em estado de alerta em função da previsão de mais chuvas em várias regiões do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.