Direção de cadeia vai apurar como arma estava com presos

O diretor da Cadeia de Porto Ferreira, na região de Ribeirão Preto, Idineu Ferreira de Araújo, abriu sindicância interna para apurar como um revólver calibre 38 estava com os presos e também para verificar se houve facilitação para uma tentativa de fuga. A tentativa ocorreu na noite de quarta-feira, 25, mas, devido à frustração do ato, houve rebelião dos 48 presos, que fizeram um carcereiro refém. A rebelião durou mais de três horas e os presos reivindicaram à direção da unidade melhoria de alimentação, de atendimento médico e de fornecimento de água potável. Antes de liberarem o carcereiro, os detentos entregaram a arma, quatro munições, duas facas feitas com materiais retirados de panelas, um telefone celular e uma imitação de granada (feita de sabão). Além disso, os presos entregaram à polícia a chave de um cadeado que, segundo disseram, teria sido entregue a eles por um funcionário. A cadeia estava no seu limite (48 presos), pois outros 15 detentos foram transferidos na quarta para Ribeirão Preto.

Agencia Estado,

26 Abril 2007 | 19h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.