Direção de presídio do Rio é afastada após denúncia

O diretor, o vice-diretor e o chefe de segurança da penitenciária Vicente Piragibe, no complexo penitenciário de Bangu, na zona oeste do Rio, foram afastados nesta segunda-feira por ordem do governo do Estado, depois da revelação de que presos usam e vendem drogas e ainda se comunicam através de telefones celulares dentro da unidade. Imagens dos detentos fumando maconha e falando ao celular no pátio do presídio foram veiculadas na TV Globo, no último domingo.O secretário de Administração Penitenciária, Astério Pereira dos Santos, visitou o presídio e determinou abertura de uma sindicância interna para apurar o caso. Um inquérito policial também foi instaurado. Ele disse hoje que se sentiu indignado com as imagens e falou das dificuldades enfrentadas. "Aqui são 70 mil metros quadrados, cinco pavilhões, 1.406 presos. Tudo arrebentado, faltando porta, em estado de emergência. Temos que melhorar isso e eu sei que não é de uma hora para outra", afirmou.No Vicente Piragibe, unidade considerada de "segurança média", estão 1.406 presos condenados a até oito anos de detenção. O novo diretor e vice-diretor são, respectivamente, os agentes penitenciários Carlos Alberto Duque e Paulo César de Assis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.