Wilton Júnior/AE
Wilton Júnior/AE

Diretor da escola de professora acusada de pedofilia é indiciado no Rio

Cristiane Teixeira Maciel Barreira mantinha relacionamento com alunas de 13 anos

Talita Figueiredo, O Estado de S.Paulo

03 Novembro 2010 | 19h32

RIO - O diretor da escola em Realengo, na zona oeste do Rio de Janeiro, onde trabalhava a professora Cristiane Teixeira Maciel Barreira, presa e acusada de manter um relacionamento com uma aluna de 13 anos, foi indiciado hoje por estupro de vulnerável e corrupção de menores, os mesmos crimes que a professora responderá.

O diretor Celso Luiz Santos Gomes negou à polícia que soubesse do relacionamento, mas o delegado Angelo Lages garante que há registros em atas de reuniões da escola que constam relatos da mãe da menina sobre o assunto. O diretor, durante o depoimento, reconheceu os registros e disse que havia ouvido da mãe da menina que a professora a "aliciava".

Segundo o delegado, o diretor demorou para abrir uma sindicância para apurar a acusação feita pela mãe da aluna e sugeriu, antes disso, que a menina fosse transferida de turma e, posteriormente, de escola. Para o diretor, elas mantinham um relacionamento atípico, mas que não sabia que tipo de ligação elas tinham.

O delegado disse que não acredita na versão do diretor e que, para ele, está claro que o diretor sabia do problema, mas não tomou as providências cabíveis. A mãe da menina deverá ser ouvida novamente e o proprietário do motel onde as duas se encontravam, esperado para hoje, pode ser ouvido amanhã.

Mais conteúdo sobre:
pedofilia Rio professora

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.