Diretor dos Correios teve gestão na estatal condenada pelo TCU

Tribunal de Contas viu irregularidades em contratos feitos por Larry de Almeida na regional do Rio Grande do Sul

Leandro Colon, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2011 | 00h00

Novo diretor nacional dos Correios, Larry Manoel Medeiros de Almeida foi investigado e condenado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) por irregularidades em licitações e outras despesas na direção regional da estatal no Rio Grande do Sul. Indicado pelo PT gaúcho, Almeida deixou o comando estadual dos Correios para assumir ontem o cargo no primeiro escalão federal.

Ligado à ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos) e ao ex-governador Olívio Dutra (PT), Larry ficou mais de sete anos no cargo no Sul e, após a nomeação publicada ontem no Diário Oficial da União, deve assumir a área de Tecnologia ou de Recursos Humanos.

Os ministros do TCU aprovaram, em setembro de 2010, um acórdão em que apontam uma série de irregularidades em sua gestão nos Correios do Rio Grande do Sul e determinam medidas a serem tomadas pela estatal em relação, principalmente, a processos de licitação.

A decisão baseia-se em auditoria de técnicos no tribunal durante o ano de 2007. "As irregularidades atribuídas ao diretor regional da ECT no Rio Grande do Sul, Larry Manoel Medeiros e Almeida, após analisadas suas alegações de defesa, foram confirmadas em sua integralidade", diz relatório de auditoria. Relator do caso, o ministro Raimundo Carreiro também não acatou as justificativas do diretor, a quem chega a responsabilizar por "omissão".

O documento de auditoria tem 37 páginas e aponta "graves" infrações legais, como dispensas irregulares de licitação, incluindo contratos de R$ 2 milhões anuais para telefonia, contratação emergencial "fabricada", contratação "ilícita" (segundo palavras dos auditores) de mão-de-obra para execução das atividades de carteiro, e, ainda, suspeita de notas superfaturadas para lanches e refeições em eventos para funcionários da estatal.

Segundo a auditoria, o dinheiro foi usado na "realização de despesas com festividades e comemorações sem vinculação com os objetivos institucionais". As notas fiscais não detalham nem justificam a finalidade dos gastos, afirmam os ministros. Num seminário de um dia com 100 funcionários, foram pagas, segundo o TCU, refeições para 1 mil participantes. "Montante que nos parece totalmente despropositado para o tipo de evento indicado",diz o texto.

Os auditores do tribunal dizem que houve "falta de planejamento dos agentes envolvidos" e falam em "inércia da administração regional" dos Correios do Rio Grande do Sul.

Além das irregularidades identificadas e das mudanças determinadas, os ministros do TCU aplicaram uma multa de R$ 2 mil a Larry de Almeida. O mesmo valor foi estipulado a outros três diretores dos Correios.

Larry de Almeida assumiu ontem juntamente com outros diretores, em meio à promessa do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, de moralizar a estatal, personagem de escândalos de corrupção durante o governo Lula. Ao se despedir da presidência da estatal, Davi José de Matos, indicado pelo PMDB, criticou reportagens do Estado que apontaram indícios de irregularidades nas licitações durante sua breve gestão, iniciada em agosto. Seu substituto, Wagner Pinheiro de Oliveira foi investigado pela CPI dos Correios, entre 2005 e 2006, por causa de sua gestão na presidência da Petros, fundo de pensão da Petrobras. / COLABOROU KARLA MENDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.