Discursos põem Lula de lado e adotam a primeira pessoa

Além de promover mudanças no relacionamento com o Congresso e os políticos, a presidente Dilma Rousseff mudou radicalmente o teor e o tom de seus discursos. Nas últimas duas semanas, passou a promover sua gestão, recheou as falas com as expressões "meu governo" e "eu decidi" e parou de fazer referências diretas ao governo Lula.

Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2011 | 00h00

Citar o ex-presidente foi uma constante até o início do mês, no auge da crise envolvendo o ex-ministro Antonio Palocci. Na solenidade para divulgar a Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, na terça-feira passada, dia da demissão de Palocci, a presidente usou a expressão "meu governo" duas vezes. E até pôs ênfase: "O governo - o meu governo - fará todo o empenho para que a Rio+20 não seja só uma autoconsciência brasileira".

Na posse de Gleisi Hoffmann, um dia depois, Dilma referiu-se quatro vezes a seu governo. "A pressão e as críticas são da regra democrática, e não vão inibir a ação do meu governo", afirmou. E fez questão de dizer que chegara sozinha à escolha política de Gleisi. Foi a "solução que (eu) encontrei".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.