Disputa pelo poder abre crise interna no PSDB

Nárcio Rodrigues. presidente da seção mineira do partido, sai em defesa de Aécio Neves e avisa: os tucanos de São Paulo 'vão ter que nos engolir'

Christiane Samarco/BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2010 | 00h00

A disputa de poder entre tucanos de São Paulo e de Minas Gerais ganhou contornos de batalha ostensiva. A entrevista do presidente do PSDB paulista, José Henrique Reis Lobo, ao "Portal do Estadão", no final de semana, levou o deputado Nárcio Rodrigues (PSDB), presidente dos tucanos mineiros, a reagir duramente: "Vão ter que nos engolir".

Na entrevista, Reis Lobo contestou a tese da "refundação" do PSDB, ideia defendida pelo senador eleito Aécio Neves (MG). Ele também citou Aécio apenas como um nome em meio ao "conjunto de novas lideranças que emergiu das urnas" e defendeu que o candidato derrotado à Presidência José Serra terá papel político que extrapolará uma eventual candidatura à prefeitura de São Paulo em 2012.

Nárcio Rodrigues disse ao Estado: "Não reconheço no José Henrique Reis Lobo autoridade para tratar do projeto nacional para o partido".

Depois acrescentou, mostrando que os tucanos mineiros consideram que não haverá prioridade política para Serra: "Fomos extremamente respeitosos à fila, concordando que em 2006 era a vez de Geraldo Alckmin (SP) e, em 2010, de Serra. Agora (2014) é a nossa vez (de Aécio).

Ao falar sobre "refundação", na entrevista ao portal estadao.com.br, Reis Lobo disse: "Se a expressão for apenas um eufemismo usado pelos que querem a renovação das lideranças do partido, não acho que interesse ao PSDB nem ao Brasil que se aposentem figuras com a experiência dos ex-governadores José Serra e Tasso Jereissati e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso". Para o tucano paulista, o trio histórico do partido é "insubstituível".

A reação de Nárcio Rodrigues foi estudada, como ele mesmo revelou. "Telefonei ao Aécio, que está viajando, e avisei que vou começar a bater."

O clima de animosidade crescente entre as alas do candidato derrotado a presidente José Serra e do senador Aécio Neves, que já vislumbram um enfrentamento em 2014 na escolha do próximo presidenciável do PSDB, preocupa o tucanato.

"Esta discussão é precoce e inadequada. Faz dez dias que saímos da eleição e não fomos vitoriosos. A hora é de juntar e não de dividir", adverte o presidente nacional do partido, senador Sérgio Guerra (PE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.