Disputa política ofusca ida de ministro a Ouro Preto

Uma disputa política local ofuscou, nesta terça-feira, a visita do ministro da Cultura, Gilberto Gil, a Ouro Preto, onde foi conhecer de perto a situação do conjunto arquitetônico histórico da cidade e anunciar projetos de construção, recuperação e ampliação dos museus da Inconfidência e do Aleijadinho.Gil decidiu cancelar a reunião que teria pela manhã na Prefeitura, uma vez que a prefeita Marisa Xavier (PDT) teve os direitos políticos suspensos por uma comissão processante, instalada na noite desta segunda-feira pela Câmara Municipal da cidade e criada para apurar supostas irregularidades e denúncias de negligência na conservação do acervo mundialmente tombado.O vice-prefeito, João Bosco Perdigão (PT), recepcionou o ministro na Praça Tiradentes, fazendo o papel de chefe do Executivo municipal. Perdigão chegou a anunciar a exoneração de todo secretariado e o bloqueio das contas do município. Enquanto isso, a prefeita se mantinha dentro do prédio da Prefeitura, guardado por policiais militares, e assegurava que continuava no cargo. ?Isso tudo é uma farsa, um teatro?, acusou.?É uma questão local, a gente não pode se meter. A gente só pode almejar que as coisas se normalizem o mais rapidamente possível?, desconversou o ministro, sem conseguir esconder o constrangimento gerado pela situação. ?Nós não sabemos a quem nos reportar?, reclamou o secretário estadual de Cultura, Luiz Roberto Nascimento Silva, que participava da comitiva que acompanhava a visita do ministro.No final da manhã desta terça, a juíza da 2ª Vara do Fórum de Ouro Preto, Lúcia de Fátima Magalhães, concedeu liminar que anulou a decisão dos vereadores e reconduziu Marisa ao cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.