Disque Denúncia bate recorde com quase 13 mil ligações recebidas

Só nesta 3ª, 417 denúncias haviam sido feitas até as 14h; recorde anterior era de 2005, após chacina na Baixada

Solange Spigliatti, Central de Notícias

30 Novembro 2010 | 14h54

SÃO PAULO - Com o registro de quase 13 mil ligações este mês, o Disque Denúncia do Rio de Janeiro bateu seu recorde mensal. De acordo com Zeca Borges, superintendente do serviço, o índice estava, às 14h15, em 12.333 ligações e deve chegar próximo das 13 mil no fim do dia. Só nesta terça-feira, 417 denúncias foram registradas. O recorde anterior ocorreu em maio de 2005, na época da Chacina da Baixada, em Nova Iguaçu, com 12.238 denúncias registradas.

 

Veja também:

linkBolívia teme imigração de traficantes; Estados reforçam policiamento

linkPolícia encontra túnel de fuga e vai lançar gás no esgoto do Alemão

linkPrefeitura faz mutirão de serviços na zona norte do Rio

linkExército ficará no Alemão até julho

linkMoradores denunciam arrombamentos

linkPolícia: CV deve se refugiar em Manguinhos e Mangueira

link ABIH: Queda na ocupação de hotéis é pequena

blog Empresas de ônibus estudam pedir indenização

som Morador: 'Ainda não sabemos como isso vai ficar'

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

video Vídeo - Bope troca tiros no Complexo da Penha

forum Presenciou algum ataque? Conte-nos como foi

especial CRONOLOGIA - A crise de violência carioca

Nos últimos dias, por conta das operações das Polícias Civil e Militar e do Exército contra o crime organizado no Estado, foram registradas até as 14 horas de hoje 3.982 denúncias sobre traficantes e esconderijos de armas e drogas. O superintendente explicou que, por conta do grande número de ligações, folgas e férias de funcionários foram suspensas a fim de melhorar o atendimento.

Entre as denúncias feitas por moradores que auxiliaram os policiais durante a operação estão a prisão de três importantes chefes do tráfico Jacarezinho, apreensões de fuzis e prisão de um grupo de traficantes, entre eles o chefe do tráfico, na Cidade de Deus. "A população tem ajudado e tem sido bastante útil", disse Zeca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.