Disque-Denúncia já recebeu mais de 71 telefonemas sobre morte de juíza

Agentes da Divisão de Homicídios realizam diligencias em São Gonçalo nesta segunda-feira

Pedro Dantas, O Estado de S. Paulo

15 Agosto 2011 | 10h38

RIO - O serviço do Disque-Denúncia já recebeu mais de 71 telefonemas com informações sobre a morte da juíza criminal Patrícia Acioli. Nesta segunda-feira, 15, agentes da Divisão de Homicídios realizam diligências em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio. Mais de 20 pessoas já prestaram depoimentos aos investigadores, inclusive o filho da vítima, de 20 anos, que tentou socorrer a mãe na porta de casa.

A juíza foi assassinada no fim da noite da última quinta-feira, quando chegava em casa, no bairro de Tibau, em Piratininga, região oceânica de Niterói. Titular da 4.ª Vara Criminal de São Gonçalo, também no Rio, a magistrada foi atingida por 21 tiros disparados por motoqueiros que cercaram seu carro.

Trata-se do primeiro caso de execução de um magistrado no Estado, segundo o Tribunal de Justiça do Rio. O caso expôs a insegurança de juízes que lidam com o crime organizado - uma lista da Corregedoria Nacional de Justiça relaciona 69 magistrados sob ameaça de morte no País.

Patrícia era conhecida por atuar de forma rigorosa contra grupos de extermínio e milícias. Nos últimos anos, condenou dezenas de policiais envolvidos com milícias, grupos de extermínio e máfias de vans, combustível e caça-níquel, além de traficantes e bicheiros. Anteontem, havia decretado a prisão preventiva de PMs acusados de forjar um auto de resistência.

Seu nome era um dos 12 de uma lista encontrada com Wanderson Silva Tavares, o Gordinho, preso em janeiro em Guarapari (ES), acusado de chefiar um grupo de extermínio. Apesar de ser alvo de ameaças de morte, ela andava sem proteção policial ou veículo blindado.

Protestos. A ONG Rio do Paz, que promoveu protesto na Praia de Icaraí, em Niterói, sábado, volta a comandar manifestação nesta segunda-feira, a partir das 11h30, na frente do Fórum de São Gonçalo. A juíza era conhecida pelo rigor adotado nas condenações de réus, policiais ou não, envolvidos em milícias e grupos de extermínio.

 

Veja também:

link Três juízes substituirão magistrada morta

link País tem pelo menos 87 juízes ameaçados de morte

linkApós pedido do Peluso, PF vai investigar execução

linkAssociação de Juízes critica falta de segurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.