Disque-denúncia leva a polícia à casa de suspeito de matar policial

Uma ligação ao disque-denúncia levou policiais militares (PMs) à casa de um adolescente de 16 anos, suspeito de participação na morte da policial civil Ludmila Martia Fernandes Fragoso, de 24 anos. Ela foi assassinada na quinta-feira após ter sido torturada por assaltantes, em Piabetá, Baixada Fluminense. O jovem não foi encontrado. Ele mora no Parque Estrela, a 300 metros do local em que o carro e o corpo de Ludmila foram encontrados carbonizados.Os policiais chegaram à casa do adolescente pela manhã. Na rua, dois homens em uma motocicleta, se assustaram com a movimentação policial e fugiram, deixando para trás uma espingarda calibre 20, 46 papelotes de cocaína e um tablete de maconha. O irmão do adolescente, Rogério Firmino dos Santos, foi levado para prestar esclarecimentos na 62ª Delegacia Policial (Imbariê).A Polícia Militar chegou a divulgar nota informando que Santos havia confessado participação no assassinato, o que foi negado pelo delegado Aguinaldo Ribeiro. "Não há nada contra o Rogério. O irmão dele é suspeito e está foragido."De acordo com o delegado, o rapaz que não foi localizado está envolvido com o tráfico de drogas na região e já teria cometido outros crimes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.