Bruno Ribeiro/Estadão
Bruno Ribeiro/Estadão

Disseminação de facções criminosas traz cenário catastrófico, diz presidente da OAB-CE

Sessão extraordinária é convocada para discutir segurança pública no Estado

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

30 Janeiro 2018 | 10h33

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Ceará (OAB-CE), Marcelo Mota,  convocou uma reunião para esta quarta-feira, 31, com as autoridades do Estado para discutir a situação da violência no Ceará. O secretário da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), André Costa, a secretária de Justiça e Cidadania, Socorro França e a Defensoria Pública Geral do Estado, defensor público Emerson Castelo Branco, foram convidados para sessão extraordinária para discutir exclusivamente o tema segurança pública.

Em entrevista à Rádio Eldorado, Mota disse que a disseminação do crime organizado no Estado tem aterrorizado a população do Ceará."Infelizmente estamos vivendo dias de intranquilidade. O que se prenunciava veio acontecer e trouxe na verdade facções criminosas tendo uma atuação mais marcante", explicou Mota.

Segundo o Presidente da OAB-CE, o investimento que governador do Ceará, Camilo Santana (PT), tem feito na segurança do Estado não tem trazido eficiência no resultado. " Para se ter uma ideia, no ano de 2017 nós encerramos com mais de 5 mil homicídios no estado do Ceará e iniciamos o ano de 2018 com índice médio de 16 mortes por dia, isso é realmente alarmante", ressaltou Mota. 

+++ Rebelião no Ceará mata 10 detentos 48 horas após chacina em forró

De acordo com Mota a situação no Ceará não está sob controle como governador do Estado, Camilo Santana (PT), anunciou em entrevista coletiva no último fim de semana. " Se estivesse sob controle não estaria sendo manchete estadual, nacional e até internacional. Mas também não há motivo para pânico. Nós temos uma preocupação muito grande. A população está com medo sim e nós todos juntos temos que reagir", disse Mota.

+++ Maior chacina do Ceará deixa 14 mortos na periferia de Fortaleza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.