Distrito Federal financia ONG da mulher do ex-governador

Integra, fundada por Weslian, firmou em abril deste ano convênio de R$ 2,4 milhões com governo do DF

Rafael Moraes Moura /BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2010 | 00h00

Fundada pela ex-primeira-dama e agora candidata ao Palácio do Buriti, Weslian Roriz (PSC), a ONG Integra firmou em abril deste ano convênio de R$ 2,4 milhões com a Secretaria de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda do governo do Distrito Federal. O atual governador, Rogério Rosso (PMDB), declarou recentemente apoio à campanha de Weslian Roriz.

A entidade coordena uma série de ações para pessoas de baixa renda, jovens e portadores de deficiência - entre elas, o projeto de treinamento de cães-guia para deficientes visuais, uma das principais bandeiras de campanha da mulher de Joaquim Roriz, barrado pela Lei da Ficha limpa.

O convênio visa a atender 1.120 pessoas em "situação de vulnerabilidade social e risco pessoal". Apesar do dinheiro, a atual presidente do Integra, Lúcia Bittar, diz que a entidade passou a ser alvo de "retaliação política", depois que Roriz cumpriu o mandato de governador e Weslian se afastou do instituto, em 2006.

Weslian renunciou oficialmente à presidência da ONG em março deste ano, mas o seu nome virou uma espécie de "herança maldita" para o Integra. "O nosso papel é servir como braço social e ajudar o governo. A Weslian não misturava uma coisa com a outra, mas o (José Roberto) Arruda sim. Ele nos ignorou por questões políticas", diz Lúcia.

A ONG enfrenta dificuldades para abrir o hospital oftalmológico inaugurado em 2006. Quatro anos depois, o Centro Integrado de Saúde Ocular Weslian Roriz - o nome aparece na fachada e em uma placa na recepção - encontra-se abandonado. O espaço de dois andares reúne centros cirúrgicos, salas de exame e auditório. Erguido a um custo de R$ 2,5 milhões, o hospital precisaria de R$ 180 mil mensais para garantir a manutenção e o atendimento a mil pessoas.

Sopa. "A briga política impede que as verbas saiam. O nome Roriz acabou pesando", afirma Lúcia. Procurada, a assessoria do governo do DF informou que não comenta as administrações anteriores. Algumas ações do Integra foram suspensas, como a distribuição de enxovais e de sopa - segundo Lúcia, tinham intenções sociais, e não políticas. Deputados distritais, inclusive da oposição, elaboraram emendas para o projeto do cão-guia, mas o dinheiro não saiu.

No ano passado, o Integra firmou convênio de R$ 29,1 mil com a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal para a compra de bengalas acopladas a um sensor que detectava obstáculos no percurso. "O sensor não tinha precisão e os cegos acharam as bengalas pesadas", comenta a presidente. De acordo com a contadora da ONG, Divina Lopes, o convênio acabou cancelado.

Durante o governo Joaquim Roriz, a figura de Weslian na presidência ajudava a ONG. "Todo mundo quer ficar perto da primeira-dama. E a Lúcia Bittar, quem é?", questiona Lúcia.

Na declaração de bens ao Tribunal Superior Eleitoral, Weslian informou possuir patrimônio de R$ 5,2 milhões - só em cabeças de gado são R$ 4,13 milhões. A lista inclui casa de R$ 600 mil, lote em Goiás (R$ 61,5 mil), fazenda (R$ 100 mil) e dinheiro em espécie (R$ 160 mil). Weslian encaminhou ao TSE a mesma declaração que havia sido feita pelo marido. / COLABOROU CAROL PIRES

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.