Divulgação de vídeo derruba mais uma delegada do caso Bruno

Ana Maria Santos é a 2ª a deixar inquérito hoje; para defesa, imagens veiculadas na TV são 'ilegais'

Eliane Souza, especial para o Estado

19 de julho de 2010 | 19h38

BELO HORIZONTE - Mais uma delegada foi afastado do caso Bruno Fernandes após a divulgação de um vídeo exibido na TV Globo em que o goleiro diz desconfiar que o amigo Luiz Henrique Romão, conhecido como Macarrão, estaria envolvido no sumiço de Eliza Samudio. No fim desta tarde, Ana Maria Santos, da Delegacia de Homicídios de Contagem (MG), também deixou o caso. A decisão foi anunciada horas depois do anúncio de que Alessandra Wilke, que presidia o inquérito, era afastada.

 

Veja também:

linkMulher de Bruno diz que viu Eliza viva no dia 10 de junho

linkJustiça intima cinco suspeitos de envolvimento

linkCartão prova que Bruno e amante ajudaram no sequestro

linkMedo de que Eliza fosse ao CT seria estopim

especialCronologia multimídia do caso

 

"Determinei a Corregedoria-Geral de polícia a instauração de sindicância para apurar, em no máximo 24 horas, com todo rigor o referido fato", disse o chefe da Policia Civil mineira, Marco Antonio Monteiro. Com os afastamentos, o delegado Edison Moreira passa a chefiar o inquérito.

 

Nesta tarde, Bruno era ouvido pela Polícia Civil de Contagem (MG) para esclarecer em quais circunstâncias o vídeo foi feito. O advogado do goleiro, Ércio Quaresma, afirmou que as imagens não serão consideradas "porque foram obtidas de forma ilegal."

 

O advogado disse ainda que todas as informações sobre o vídeo já são conhecidas. "São 9 passageiros, 2 tripulantes, um assessor da Polícia Civil e duas autoridades policiais. Sobram quatro agentes. Eles serão identificados e polícia vai tomar as providências."

 

Desconfiança. No vídeo, gravado durante a viagem do jogador do Rio para Belo Horizonte, onde está preso, Bruno parece não saber que está sendo filmado. "Não sei o que deu na cabeça dele (Macarrão). Hoje, com todos os fatos que têm (contra ele), é difícil acreditar nele". E acrescentou: "Pelo que estou vendo, tudo em volta, tudo que está acontecendo, estou chocado."

 

Bruno contou que chegou a pensar que Eliza tivesse desaparecido para prejudicá-lo. "Fiquei com medo. Ela já tinha armado contra mim no Rio de Janeiro", disse.

 

Nas imagens, ele relata uma conversa que teve com Eliza, dando sinais de que pretendia reconhecer a paternidade da criança. "Eliza, onde come um, comem dois. Onde comem dois, comem quatro. Se o filho for meu... Pra mim, era tranquilo."

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Bruno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.