Divulgado retrato de suspeito de estuprar e balear jovem no PR

Jovem está na UTI e perdeu os movimentos das pernas; namorado da vítima foi morto quando tentou reagir

10 Fevereiro 2009 | 17h40

O retrato falado do suspeito de balear e estuprar uma jovem no litoral do Paraná foi divulgado na tarde desta terça-feira, 10. O suspeito é branco, de cabelos e olhos castanhos escuros e tem entre 1,75 metro e 1,85 metro. De acordo com o retrato falado, ele pesa entre 100 kg e 120 kg e teria abordado as vítimas vestido com uma camisa amarela e uma bermuda.   O coordenador da força-tarefa que investiga o caso, delegado Luiz Alberto Cartaxo Moura, disse acreditar na identificação do autor do crime. "Prender é sempre mais complicado", ponderou. "Mas tenho certeza de que vou pegá-lo." O rapaz foi morto com um tiro no peito ao tentar defender a jovem de violência sexual. Segundo o delegado, ela recebeu tiros no pulmão, coluna e perna. Segundo nota do Hospital Vita, onde está internada, ela tem quadro geral estável e estado psicológico com boa evolução.   Veja também: Jovem baleada e violentada no PR está paraplégica DNA vai ajudar na busca a homem que baleou e estuprou jovem Homem que baleou casal não disse que era guia turístico       O perito Jorge Luiz Werzbitski, que elaborou um retrato falado, apresentado na tarde desta terça, acentuou que a jovem foi ouvida por dois dias para a confecção da imagem. Tem aproximadamente 30 anos, sotaque caipira (interiorano) e tom de voz mediano. "Segundo ela (jovem internada), há 90% de semelhança", disse Werzbitski.   De acordo com Moura, o retrato é mais um dado no dossiê de investigação, que conta com mais de 500 páginas, e poderá direcionar as denúncias que chegam à polícia. "Temos informações muito boas que acabam fechando com o retrato, não temos a identidade, o endereço, mas conhecemos o comportamento dele, sabemos como age e como fala", acentuou.   "Estamos chegando lá, mas não sei quanto tempo vai demorar." Segundo ele, os policiais estão atrás de algumas pessoas do litoral paranaense que têm o perfil apontado pelo retrato, visto que a hipótese mais forte é de que o crime foi cometido por um morador do local. "Por enquanto, não há qualquer suspeita confirmada, mas várias situações sendo investigadas", acrescentou.   O delegado disse que a camiseta amarela encontrada no Morro do Boi, onde o casal foi rendido quando passeava em uma trilha, e apontada como pertencente ao suposto criminoso é apenas um dos elementos que a polícia recolheu no local. Mas, segundo ele, quando a fotografia da camiseta foi mostrada à jovem ela ficou em dúvida.   Moura destacou que a polícia tem aplicado todas as técnicas e métodos de investigação e realizado todos os exames necessários para elucidar o crime. "Não divulgamos todas as informações porque temos motivos investigativos para isso", afirmou. "Já temos conclusões, mas não devo falar sobre isso."    Texto ampliado às 17h51 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.