DNER admite que trecho de Parati da Rio-Santos está ?péssimo?

A situação na rodovia BR 101, entre Rio de Janeiro e São Paulo, continua precária, principalmente entre os quilômetros 596 e 599. A passagem de veículo é muito difícil e não há nenhuma sinalização no local. Há três dias houve deslizamento de terra e desmoronamento de parte da Rio-Santos. O problema foi causado pela infiltração de água na pista, que fez com que o asfalto cedesse.Segundo a Polícia Rodoviária Federal, responsável pela fiscalização no trecho carioca, o problema naquele local se arrasta por muito tempo. ?Aqui a situação é lamentável, intransitável, e todos os meses enviamos notificações ao DNER pedindo providências? afirmou um dos patrulheiros que trabalha no trecho. O oficial da unidade do DNER (Departamento Nacional de Estradas e Rodagem) de Angra dos Reis (RJ) Roberto Quinet de Andrade reconheceu, na tarde de hoje, que a situação na rodovia BR 101 na divisa entre Rio e São Paulo é ?péssima?. ?Sabemos da urgência de obras naquele local, por isso que estou aqui no Rio de Janeiro hoje atrás de recursos?. Andrade disse que as obras de recuperação de todo sistema de drenagem devem começar nesta semana.?Não sei quanto vamos gastar ali, mas sabemos que a obra tem que ser emergencial?. Andrade também admitiu que falta sinalização no local. ?Amanhã mesmo vamos levar as máquina para lá e fazer tudo o que é necessário?, prometeu.De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, as máquinas utilizadas no desmoronamento para a limpeza da pista foram emprestadas de uma empresa particular, já que até hoje o DNER não havia tomado nenhuma providência. Em Ubatuba, entre os quilômetros 2 e 5 da mesma rodovia, no trecho paulista, houve queda de barreira no fim de semana. Até ontem à tarde o trecho estava parcialmente interditado, funcionando apenas em meia pista. Quatro máquinas e uma pá carregadeira trabalharam no local até o final da tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.