Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE

Do mensalão aos aplausos

Além de festa para Delúbio em sua terra natal, fim de semana teve medalha militar para Genoino

Gabriel Manzano, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2011 | 00h00

Seis anos depois do mensalão, que abalou suas vidas e carreiras, os petistas José Genoino e Delúbio Soares atravessaram o fim de semana com um gostinho de volta por cima. Delúbio, há dez dias um tesoureiro expulso, que assumira em 2005 a culpa pelos "recursos não contabilizados", foi recebido em grande estilo pelo PT de Buriti Alegre (GO), numa festa de 200 pessoas, por seu retorno ao PT. Discursou como candidato.

A diversão dos amigos, à sua volta, era reinterpretar o passado. "Foi uma injustiça grande, mas o erro acabou reparado", festejou o presidente do PT local, Delmar Arantes. "O mensalão é parte da História", decidiu Darci Accorsi, ex-prefeito de Goiânia.

Genoino, que presidia o PT quando o escândalo de 2005 veio à tona, recebeu ontem, no Rio, a Medalha da Vitória - a primeira dada pelo Ministério da Defesa a um ex-guerrilheiro. Em pleno 8 de Maio, que pelo mundo afora é saudado como o fim da Segunda Guerra Mundial - em que se varreu da história o autoritarismo nazista -, o assessor especial de Nelson Jobim entrou numa lista de 284 pessoas agraciadas por terem contribuído para a democracia e a paz.

"O que o Brasil deseja fazer é um grande ajuste de contas com seu futuro. O Brasil não quer retaliar seu passado", justificou Jobim, ao dar a medalha ao antigo adversário do regime militar, que nos anos 70 o desafiou integrando a Guerrilha do Araguaia.

O petista não esconde a surpresa com as viradas da História: "Olha, tem acontecido tanta coisa na minha vida e na história do Brasil que a gente só tem que acreditar no Brasil e no futuro, porque muita coisa surpreendente vem acontecendo positivamente".

Genoino não ficou sozinho nessa hora. Na lista dos outros 283 medalhados estavam quatro ministros petistas - Antonio Palocci (Casa Civil), José Eduardo Cardozo (Justiça), Luíza Barros (Igualdade Racial) e Maria do Rosário Nunes (Direitos Humanos).

Na contramão. Mais poderoso petista depois do presidente Lula, nos idos de 2005, e tido como "chefe da quadrilha" do mensalão, José Dirceu teve um fim de semana menos brilhante. Em reportagem, a revista Veja traz uma acusação contra ele feita pelo empresário Fernando Cavendish. Este atribui a Dirceu a frase: "Com alguns milhões seria possível até comprar um senador para conseguir um bom contrato com o governo". Dirceu negou e avisou, ontem, que vai processar os autores da acusação. PSDB e DEM querem convidar o denunciante a depor no Senado./ COLABORARAM VANNILDO MENDES E SABRINA VALLE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.