Do nhenhenhém ao trololó

Tutty Vasques escreve todos os dias no portal Estadao.com.br, de terça a sábado neste caderno e aos domingos no caderno Aliás

Tutty Vasques, O Estadao de S.Paulo

23 Abril 2008 | 00h00

Foi a segunda vez em menos de três meses: José Serra voltou a usar nesta semana a expressão "trololó" para alfinetar a oposição. Espetou, desta vez, quem vê calote na proposta de emenda constitucional que modifica a forma de pagamento de precatórios. Antes disso, no dia 2 de fevereiro, chamou de "trololó petista" o protesto que se ensaiava contra ele na Assembléia Legislativa do Estado."Trololó", ensinam os dicionários, é o mesmo que "lero-lero". Substantivo masculino também usado regionalmente para designar "nádegas", mas não foi essa, decerto, a intenção do governador. Quando ele diz "trololó",quer tão-somente acusar conversa fiada, papo furado, história pra boi dormir... Em filologia tucana, é uma versão pessoal de Serra para o "nhenhenhém" que FHC popularizou na Presidência. Enfim, o eleitor tem até 2010 para entender o novo sentido de toda essa conversa mole. POLÍTICA EXTERNA"Melhor rever logo o tratado de Itaipu antes que nos mandem a conta da Guerra do Paraguai"Celso Amorim, Ministro das Relações ExterioresSÓ PENSA NAQUILO"Vitória apertada é mais gostosa" Bill Clinton, tentando levantar o astral da patroa na PensilvâniaDeus e o Sr. NinguémO caso Joel Santana põe à prova a existência de Deus. Não haverá porque dela duvidar a se confirmar a proposta de US$ 200 mil de salário para o técnico do Flamengo assumir o lugar de Parreira no comando da seleção da África do Sul, anfitriã da Copa de 2010. Agora, se tudo não passar de uma grande cascata - como assegura o jornal Daily News, de Johannesburgo, em reportagem que chama Joel de "Sr. Ninguém" -, aí fica mesmo difícil acreditar em Deus.Obsessão Até o fechamento desta coluna, às 18h03 de ontem, Dilma Rousseff não havia produzido uma mísera notícia na Coréia do Sul. Pela agenda oficial de sua viagem, a ministra deve desembarcar hoje no Japão, antes de seguir para Washington. Pelas informações que chegam de Brasília - não importa onde esteja nem fazendo o quê -, a mãe do PAC vai depor no Senado na quarta-feira da semana que vem. Então, tá!Fetiche de bandidoTraficantes cariocas deram mole ontem para a polícia uma arma de poder antiaéreo (.50), a primeira desse calibre apreendida no Rio. Na hora da operação policial, quase todo crime organizado da cidade estava cruzando a Ponte Rio-Niterói na tentativa de ver mais de perto o porta-aviões gigante que chegou nesta semana à Baía de Guanabara. A bandidagem está encantada com o brinquedo dos americanos. Se inveja matasse, ia morrer um bocado de gente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.