Google Street View/Reprodução
Google Street View/Reprodução

Doceira é condenada a 30 anos por enviar bombons envenenados

Mulher foi contratada para festa de 15 anos de uma jovem; aniversariante chegou a ficar 8 dias na UTI

Edson Fonseca, Especial para O Estado

08 Agosto 2017 | 16h36

CURITIBA - A doceira Margareth Aparecida Marcondes, de 47 anos, foi condenada a 30 anos e três meses de prisão, em regime fechado, acusada de tentativa de homicídio contra a adolescente Thalyta Teminski e outras três pessoas. Margareth teria enviado bombons envenenados para a jovem, em março de 2012. 

O crime ocorreu depois de a família de Thalyta ter encomendado doces à Margareth, para a festa de aniversário de 15 anos da jovem. A doceira teria cobrado R$ 7,5 mil adiantados para confeccionar a encomenda. No entanto, gastou o dinheiro antes de realizar o serviço. De acordo com as investigações, foi aí que Margareth decidiu enviar os bombons envenenados à família, com o pretexto de serem provas.

Thalyta e outras três amigas comeram e passaram mal. A aniversariante chegou a ficar oito dias na UTI e sofreu duas paradas cardíacas.

O marido da doceira, Nercival Cenedazi, descobriu o crime e ameaçou contar à polícia. Margareth tentou matá-lo, mas ele sobreviveu, o que rendeu uma condenação de 10 anos, anterior a esta desta segunda. O defensor da doceira, Luiz Cláudio Falarz, disse que não esperava uma pena tão alta e que vai pedir a nulidade da sentença por "falta de materialidade do caso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.