Dois dos senadores acusados são inocentes, diz Heloísa

Em campanha no Espírito Santo, a senadora de Alagoas e candidata do PSOL à Presidência, Heloísa Helena, afirmou nesta sexta-feira, 11, que, dos três senadores acusados no relatório da CPI dos Sanguessugas, dois apresentaram "provas contundentes" de inocência: Serys Slhessarenko (PT-MT) e Magno Malta (PL-ES). O terceiro senador acuso é Ney Suassuna (PMDB).O Estado perguntou à senadora se ela considera os dois inocentes, apesar de a CPI ter recomendado a abertura de processos de cassação de mandato. "Como membro do Conselho de Ética não podemos nos posicionar antecipadamente porque seria fazer juízo de valor. Mas tanto a senadora Serys como o senador Magno apresentaram provas contundentes, e a prova disso é que o senador Amir Lando (do PMDB), relator da CPI, disse que será testemunha de defesa dos dois no conselho. Defendemos o aprofundamento das investigações", declarou. Segundo Heloísa, as "provas contundentes" apresentadas pelos dois acusados, que ela não detalhou, "deveriam ter sido melhor averiguadas".A senadora disse que, agora, está trabalhando para "levar" os últimos dois ministros da Saúde do governo Lula e afirmou que "ainda falta a divulgação dos sanguessugas dos ministérios da Saúde, da Educação e da Ciência e Tecnologia". "Eu queria que essa eleição tivesse caráter plebiscitário: quem é cúmplice ou não da roubalheira, de sanguessugas, de mensaleiros, de ladrões dos cofres públicos, estejam no Congresso, no Palácio do Planalto ou em qualquer outro setor público do Brasil", disse.MilagreHeloísa defendeu uma reforma tributária que "impeça a brutal e avassaladora transferência de renda dos pobres, da classe média assalariada e do setor produtivo para banqueiros e o capital financeiro". Sobre segurança, afirmou que a disputa "eleitoreira e inconseqüente" entre PT e PSDB impedem a coordenação de um pacto. A candidata do PSOL disse que ter mais de 10% das intenções de voto é "um verdadeiro milagre político". "Com certeza nós vamos estar no segundo turno. Não estou preocupada com quem", completou.Durante a caminhada, militantes gritavam três frases, repetidamente: "Nem sanguessuga, nem mensalão, é Heloísa presidente da nação. Nem tucano, nem petista, tem que ser socialista. Mulher de luta, é radical, é Heloísa presidente nacional".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.