Dois estrangeiros são presos por abuso de menores

Dois estrangeiros foram presos em flagrante cometendo abusos sexuais contra menores. O francês Christian Chaveau, de 54 anos, dono de uma pizzaria em Praia do Forte, Litoral Norte da Bahia, praticava sexo oral com duas meninas de rua, de 10 e 11 anos, num carro no Alto de Ondina, a poucos metros da residência oficial do governo do Estado. O advogado Lawrence Allen Stanley, de 47, abusava sexualmente de uma garota de 12 anos quando foi preso. Stanley já havia sido detido há quatro meses pela Polícia Federal, em Salvador, sob a acusação de manter sites pornográficos e comandar uma rede internacional de pedofilia. Na ocasião, desdenhou da Justiça brasileira, afirmando que seria solto. Pouco depois, conseguiu um habeas-corpus no Tribunal de Justiça Federal de Brasília, deixou a cadeia da Polícia Federal e continuou em Salvador. Foi preso, desta vez, por agentes da Delegacia de Proteção ao Turista, logo após ter praticado sexo oral com a adolescente de iniciais J.M.O.S., dentro de um carro. Pagou à menina R$ 30 e um biquíni. Após ser autuado, Stanley, que já é condenado pela Justiça holandesa por crimes sexuais contra menores, foi transferido para o Presídio de Salvador, onde aguardará julgamento. O francês Chauveau admitiu que fez "besteira", ao falar com os policiais da Delegacia de Repressão a Crimes contra a Criança e Adolescente (Derca) que o detiveram, e tentou se justificar dizendo que estava bêbado. Ele também seria transferido para o Presídio de Salvador.O Centro de Defesa da Criança e Adolescente Yves de Roussan (Cedeca) uma ONG baiana que ajuda menores vítimas de violência, acompanha os dois casos. A coordenadora-executiva da entidade, Hélia Barbosa, informou que o caso de pedofilia na Internet que envolve o americano Stanley será um dos temas da conferência internacional sobre o assunto, a ser realizada em dezembro, em Salvador. "A nossa legislação é muita fraca em relação à Internet, precisa ser modificada, para evitar que pessoas como esse americano escapem da punição", disse, informando que legisladores especialistas de vários países onde já existem leis específicas para a Internet participarão do evento. "Vamos convidar parlamentares brasileiros para que eles possam, a partir do conhecimento dessas experiências, fornecer à Justiça os instrumentos necessários para a punição rigorosa desses delitos", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.