Dois pesos, duas medidas

No início de março, por volta das 13h50, passei pela Praça Dom Gastão Liberal Pinto, no Itaim Bibi, onde havia uma funcionária da CET multando carros. Pedi para que ela fosse à Rua General Mena Barreto, na altura do número 790, a menos de 50 metros do local, para que verificasse os carros estacionados em local proibido. Ela respondeu que não adiantava. "Quando eu chego lá os manobristas retiram os carros, colocam na zona azul ou fazem de conta que não estão me vendo. É melhor deixá-los estacionados lá", disse. Indignada, respondi: "O problema deixará de existir se a senhora for lá e multá-los, como está fazendo aqui. Se não fizer nada, eles não se sentirão vigiados e continuarão agindo da mesma forma. Não é justo nem correto. Eles têm de saber que há fiscalização e que serão punidos de acordo com a lei." Meu discurso foi em vão. Ela me ignorou e continuou anotando no bloquinho. Dez minutos mais tarde ela não estava mais no local nem onde deveria estar multando. MARIA D?ESPOSITOSão PauloAdele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET, informa que não foi possível identificar a funcionária e que a equipe operacional é monitorada durante o desempenho das atividades, para que possam ser corrigidas irregularidades de postura ou de procedimento operacional. Diz que será reiterado às equipes operacionais o cumprimento dos procedimentos e conduta para fazer as fiscalizações. Esclarece que a Rua General Mena Barreto é fiscalizada periodicamente por equipes operacionais e nos dois últimos meses efetivaram 12 autuações e 85 remoções no local.O lixo e as enchentesHá novos pontos de entulho na cidade, como na Estação Tietê, ao lado da saída de ônibus; na Rua Parque Domingos Luiz, no lado ímpar; na Estação Jardim São Paulo, na Vila Sabrina; no terminal de cargas Fernão Dias; nos terrenos do Instituto de Previdência do Estado de São Paulo (Ipesp), entre outros. Se fizerem um estudo, constatarão que tanto os carroceiros como os moradores da cidade jogam entulho na rua, isso sem falar do lixo. Por isso vários locais da cidade inundam com qualquer chuva. A Prefeitura não vence esse desrespeito com o cidadão correto, tem de punir o infrator para que ele sinta na pele o mal que faz à coletividade.MILTON DE ABREU CAVALCANTESão PauloO Departamento de Limpeza Pública não respondeu.Só de um ladoPlantaram novas árvores na Avenida Roberto Marinho, no trecho entre a Marginal do Pinheiros e a Avenida Santo Amaro. Cavaram covas profundas e colocaram mudas do mesmo tamanho, apoios perfeitos e terra nova e adubada. Desse jeito a cidade melhora! Mas na mesma avenida, após o cruzamento com a Santo Amaro, no sentido bairro, o quadro é outro. Parabéns aos responsáveis pelo lado de cá!MARCOS IGNACIOSão PauloRevitalização esquecidaMoro em um condomínio no bairro da Luz, em São Paulo, que foi criado dentro do Programa de Revitalização do Centro. Mas todos os dias somos vítimas de assaltos nas imediações do condomínio. Já entramos em contato com o Batalhão da Polícia Militar correspondente, sem sucesso. Estamos solicitando a permanência de uma Base Policial entre a passarela da rua da noivas e Rua Florêncio de Abreu, trecho mais perigoso da redondeza, pois só assim teremos segurança para locomoção até o ponto de ônibus ou o metrô. Como todos sabem, a região da Luz e a Cracolândia merecem e precisam de mais policiamento, não adianta construir condomínios sem oferecer estrutura nem segurança ao local.CRISTIANE MENEZESSão PauloA Assessoria de Imprensa da Polícia Militar de São Paulo esclarece que a questão apontada pela leitora é do conhecimento da polícia, mas as causas do problema vão além da atuação policial. Assim, informa que estão em andamento trabalhos em conjunto com a Prefeitura, além de outros órgãos, para minimizar os fatores responsáveis pela violência em geral. Na região da passarela da rua das noivas já existe policiamento especial, com uso, por exemplo de patrulha de motociclistas. Informa que o esquema de policiamento será reforçado.Informe-se: No fim de março entra em vigor a Lei n.º 13.226/08 que beneficia os cidadãos com DDD do Estado de São Paulo e que não querem ser mais importunados com ligações de marketing de empresas ou que queiram selecionar chamadas de algumas firmas. A partir do dia 31 de março, os paulistas, titulares de linhas, podem se cadastrar no www.procon.sp.gov.br ou nos Postos do Poupatempo e, em 30 dias, as ligações serão bloqueadas. A lei não é aplicada a entidades filantrópicas. Fonte: IdecAs cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.