Dom Cláudio inaugura shopping de desempregados

O cardeal-arcebispo de São Paulo, d. Cláudio Hummes, afirmou nesta terça-feira, na inauguração do projeto Feira de Quem Faz, que, embora invista na promoção social, a Igreja continuará atendendo a situações de emergência, "porque a doença e a fome não podem esperar".Financiado pela Conferência Episcopal Italiana e pela Arquidiocese de São Paulo, em parceria com o poder público e várias entidades particulares, o projeto - de mais de R$ 1,5 milhão - abriu na Rua José Bonifácio, no Centro da cidade, um outlet com 80 boxes para desempregados e subempregados venderem seus produtos.Os usuários do empreendimento pagarão apenas as despesas de manutenção (água, luz e condomínio), com contrato para 24 meses. Durante esse período, todos receberão treinamento sobre técnicas empresariais e comerciais, com aulas diárias, depois do expediente."Esperamos que a Feira de Quem Faz sirva de modelo para experiências semelhantes pelo Brasil afora", disse d. Cláudio. "Essa espécie de shopping que estamos abrindo, com administração da Cáritas (entidade da Igreja de solidariedade), funcionará como incubadora de pequenas empresas", informou o cardeal.No fim da cerimônia, d. Cláudio benzeu todos os boxes. Maria Inês Rosa Leite e sua irmã Catarina Lopes, que levaram para o outlet as bonecas de pano que vendiam em barracas na rua, ficaram emocionadas com a presença do arcebispo, quando ele parou para ver a sua vitrine.Uma bandeira do Movimento dos Sem-Terra (MST), que terá de ser substituída pelo nome da loja, por exigência da Cáritas, identificava na inauguração a Loja Reforma Agrária, que vende produtos de assentamentos de sem-terra de vários Estados."Tudo fabricado pela gente", disse Sebastião Batista Carvalho, mostrando potes de mel do assentamento de Itapeva e doce de leite de Promissão, no interior de São Paulo. Ele e seu companheiro Eli César Galvão de Lima vendem também cachaça do Paraná e vinho do Rio Grande do Sul.

Agencia Estado,

12 de novembro de 2002 | 22h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.