Dono da Tech Mix nega irregularidades e vínculo com o PR

Ele também afirma que não há nenhuma ligação com acertos emergenciais fechados pela empresa de sua mulher com a Valec

Leandro Colon, O Estado de S.Paulo

18 Julho 2011 | 00h00

BRASÍLIA

O dono da Tech Mix Serviços, Luiz Carlos Rodrigues da Cunha, negou qualquer irregularidade na contratação de sua empresa pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) por R$ 18,9 milhões.

Ele também afirmou que não há nenhuma ligação entre esse contrato e os acertos emergenciais fechados pela Alvorada Comercial e Serviços, empresa de sua mulher, com a Valec. "Ela tem o negócio dela e eu tenho o meu", afirmou.

Cunha recebeu a reportagem do Estado na sexta-feira, no novo endereço da Tech Mix em Brasília. É que no endereço fornecido pela empresa na Receita Federal, no subsolo de uma quadra comercial, na capital federal, não há nenhuma referência de sua existência.

Cunha disse que não tem ligação com o PR, partido que comanda o Ministério dos Transportes no governo federal. O dono da Tech Mix afirmou que nunca ouviu nenhuma proposta de propina em relação a seus contratos.

"Nunca ninguém me pediu nada. Nunca escutei uma proposta dessas", disse. "Só teme quem deve. Tenho minha mente tranquila."

De acordo com os dados registrados na Junta Comercial do Distrito Federal, Cunha assumiu a Tech Mix no dia 5 de maio de 2010, no lugar da mulher, Alcione Cunha. Meses depois, Alcione passou a administrar a Alvorada.

Eles decidem. Luiz Cunha contou que a decisão final de quem vai trabalhar na Tech Mix dentro do Dnit é do próprio órgão do governo. "Eu submeto os currículos aos órgãos, não tem como. Eles vão decidir lá dentro quem vai trabalhar", afirmou. "A palavra final é do órgão, que escolhe o melhor currículo."

Ele defendeu a decisão do Dnit de desclassificar as oito propostas abaixo da oferta de sua empresa. "Elas tiveram erros. São erros de proposta", argumentou.

O Estado procurou ontem a assessoria do ministro dos Transportes, Paulo Passos, para comentar o assunto, mas ele não foi localizado até o fechamento da edição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.