Dono de barco que pode ter atropelado alemão é identificado

Embarcação que pode ter causado a morte do empresário foi achada na região do Saco de Mamanguá

Solange Spigliatti, do estadao.com.br,

06 de janeiro de 2009 | 11h20

A polícia do Rio identificou o proprietário de uma embarcação que pode ter provocado a morte do empresário alemão Christian Martin Wölffer, de 70 anos, morto no dia 31 de dezembro na região do Saco de Mamanguá, no litoral sul do Rio de Janeiro. O barco abandonado foi achado na segunda-feira, 5, após uma perícia na região onde o empresário morreu.   Segundo o delegado Alessandro Petralanda Santos, da 167ª DP (Paraty), o nome do proprietário não será divulgado para não atrapalhar as investigações. O dono será ouvido pelos policiais e o barco será vistoriado, de acordo com o delegado. A embarcação foi localizada no imóvel vizinho à casa onde o alemão estava hospedado, de acordo com o delegado.   Em depoimento no domingo, um suspeito de atropelar o empresário alemão negou qualquer tipo de vínculo com o caso, que acabou com a morte do vinicultor em Paraty, no Rio, na véspera de ano novo. O  instrutor de remo Felipe Paniza se apresentou na manhã deste domingo, 4, na 167ª Delegacia de Polícia, junto com mais um casal, que estava na embarcação no momento do acidente, e seu advogado. Ele foi chamado à delegacia de Paraty porque os policiais receberam uma denúncia anônima contra ele.   O suspeito explicou que passou a virada de ano na cidade vizinha de Ilha Grande e, alegou ainda que a sua lancha não é motorizada, como apontaram as testemunhas do acidente. O empresário nadava quando foi atropelado pela embarcação em uma praia. Ele passava o fim de ano hospedado na casa do casal de amigos brasileiros Luiz Oswaldo Pastore e Carolina Overmeer.   Pena    Os envolvidos podem ser indiciados por homicídio culposo (sem intenção) e omissão de socorro, e a pena pode chegar a três anos. Os investigadores chegaram a ele por intermédio de sua mãe, localizada no sábado no município de Cunha. Depois de conversar com os policiais, telefonou para o filho e pediu que ele se apresentasse. Segundo Cerqueira, o suspeito estava em Ilha Grande.   Esta semana, os policiais devem ouvir o casal de atores Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert, que passavam o réveillon em Paraty e ajudaram a socorrer o alemão. O crime é investigado também pela Capitania dos Portos, que tenta identificar outras embarcações que circularam por lá no dia 31.   Wölffer nadava a poucos metros da praia no Saco de Mamanguá quando atingido. Ele pediu socorro e foi imediatamente atendido por amigos. Teve ferimentos profundos nas costas, sangrava muito e morreu na ambulância a caminho do hospital.

Tudo o que sabemos sobre:
morteembarcaçãoalemãoParaty

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.