Dono de farmácia é preso por tráfico de drogas e porte de arma

O empresário João Batista de Lemos, dono de sete farmácias da Rede Descontão, foi preso neste domingo por tráfico de entorpecentes e porte ilegal de armas. Agentes da Delegacia de Repressão a Entorpecentes descobriram um estoque ilegal de remédios tarja preta, anabolizantes e morfina numa das farmácias, no Cachambi, zona norte do Rio de Janeiro. O empresário também levava um revólver calibre 32.O depósito clandestino estava escondido atrás de um fundo falso do armário destinado a remédios controlados. Estes só saem da farmácia com a entrada de uma receita própria para esse tipo de medicamento. A venda é fiscalizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Lemos é acusado de vender os remédios sem controle, com preço superfaturado. Ele recusou-se a prestar depoimento à polícia."Todo remédio de tarja preta é droga, e a lei não diferencia quem vende um medicamento desse tipo daquele que vende cocaína ou maconha. Por isso ele responde por tráfico", afirmou a inspetora Marina Maggessi, chefe do setor de investigação da DRE.No depósito clandestino, os policiais encontraram mais de 3 mil caixas de medicamentos como Prozac, Diazepam, morfina e anabolizantes. "Vamos fazer um levantamento para saber se esses produtos são roubados. Ele chegou a apresentar algumas notas fiscais, que serão checadas", disse a inspetora.A DRE começou a investigar a venda ilegal de medicamentos controlados depois que a Corregedoria de Polícia recebeu denúncia segundo a qual policiais da delegacia eram acusados de extorquir dinheiro de donos de farmácia, que vendiam esses remédios. "Queremos deixar claro que a DRE não compactua com esse tipo de crime e vamos intensificar a fiscalização nas farmácias do Estado", afirmou Marina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.