Reprodução
Reprodução

Dono de restaurante é morto após reclamar de desperdício de comida

Pela norma, o cliente paga R$ 7,99 para comer à vontade, mas não deve deixar sobras

Vannildo Mendes,

16 Janeiro 2013 | 16h01

BRASÍLIA - A Polícia Civil do Distrito Federal fez o retrato falado e intensificou as buscas de três rapazes que assassinaram a tiros, à queima-roupa na terça-feira, 15, o dono de um restaurante em Planaltina, cidade-satélite a 30 quilômetros de Brasília. Josafá Pereira da Silva, de 46 anos, foi atingido com três tiros, um deles na cabeça, após repreender os clientes por terem deixado comida no prato, procedimento considerado regra da casa. Pela norma o cliente paga R$ 7,99 para comer à vontade, mas desde que não deixe sobras. O alerta está estampado com destaque no cardápio do restaurante.

Os jovens haviam estado na segunda-feira, 14, no restaurante e deixado comida no prato. Ao reconhecê-los, no dia seguinte, quando voltaram ao local para almoçar, Josafá os repreendeu e repetiu a norma da casa. Houve uma discussão. Duas horas depois os jovens retornaram e dois deles fizeram os disparos, fugindo em seguida em um carro que estava aguardando os dois em frente ao restaurante e dirigido por um terceiro jovem.

O restaurante não tem câmeras de segurança, mas havia várias testemunhas na hora do crime, ocorrido a 300 metros de um posto da Polícia Militar. O depoimento das testemunhas ajudará na identificação dos autores, segundo informou o delegado Edson Medina, encarregado do inquérito. Ele disse que o homicídio foi cometido por motivo fútil e sem chances de defesa para a vítima. Os assassinos podem pegar até 30 anos de prisão.

Socorrido, Josafá chegou com vida ao Hospital Regional de Planaltina, mas não resistiu ao ferimento na cabeça por ter perdido muita massa encefálica. Ele deixou viúva e três filhos.

Mais conteúdo sobre:
Violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.