Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Doria defende decreto que prevê seguranças pessoais para ex-prefeitos de SP e familiares

Ele destacou que já tem segurança particular, mas que é preciso que os chefes do Executivo contem com 'inteligência policial'

Carla Araújo e Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

07 Março 2018 | 14h52

BRASÍLIA - O prefeito de São Paulo, João Doria, voltou a defender o decreto que prevê a disponibilização de seguranças pessoais para ex-prefeitos da capital e seus familiares por até um ano após o saída do cargo e disse que a medida visa encorajar e proteger ações dos governantes. "Quando se está no cargo público tem que ter algumas atitudes de confronto e facções ameaçam os agentes públicos e em são Paulo não é diferente", afirmou, em entrevista no palácio do Planalto, após reunião com o presidente Michel Temer e outros prefeitos para tratar de segurança pública. 

Doria exaltou ações conjuntas entre a cidade e o Estado de São Paulo e disse que os governos prenderem 722 traficantes e que quase todos pertenciam a Primeiro Comando da Capital (PCC). "Garantir ao gestor que ele terá por um ano acompanhamento .(...) garante ao gestor tomar atitudes para combater o crime", disse 

+++ ‘Pensei que eram fogos, aí, de repente, começou tudo...’

O prefeito destacou que já possui segurança particular, mas que é preciso que os chefes do Executivo contem com "inteligência policial". "Eu tenho minha proteção pessoal desde que sou empresário e não tenho problema para pagar isso", disse Doria, que reforçou que devolverá aos cofres públicos o que for gasto com ele em segurança. "Para que não houvesse mais dúvidas e polêmicas já anunciei que valor correspondente mês a mês a com segurança será reembolsado por mim, assim como já fiz isso com meu salário", afirmou. 

Publicado no último sábado, 3, o decreto de número 58.117 garante a disponibilização de até quatro PM a ex-prefeitos e seus familiares. Com ele, Doria garantiria a escolta mesmo durante eventual campanha para o governo do Estado. Se for concorrer, Doria tem que deixar a Prefeitura até 7 de abril

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.