Dos 137 depósitos em estado crítico, restaram 29

O Inventário Estadual de Resíduos Sólidos Domiciliares 2009, que será divulgado no final do mês, mostra que, dos 137 aterros que estavam em situação crítica no início do ano passado, 108 deixaram o ranking dos piores. Apenas 29 permanecem muito ruins, alguns a caminho da interdição. Na reclassificação de setembro, havia ainda 67 aterros ruins. "Acompanhamos aqueles 137 e interditamos 8 aterros que nada fizeram para melhorar." Os primeiros a serem fechados, em junho, foram os de Itapecerica da Serra, Araras, Itanhaém e Mongaguá. Meses depois, a Cetesb interditou os depósitos de Embu-Guaçu e Mairinque. Neste ano, foram interditados os de Itapuí e Monte Alto. O de Itapeva foi interditado em dezembro, mas a ação foi suspensa com a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta Ambiental (TAC) para regularização.Para evitar que os aterros sejam "maquiados" na vistoria só para melhorar no ranking, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente vai mudar a avaliação. "O critério é pontual e leva em conta a situação encontrada no momento da inspeção", diz o gerente de Controle da Cetesb, Arunto Savastano Neto. "Às vezes o técnico vai ao aterro e acha bom, mas, dependendo das condições climáticas, dias depois está horrível." Os novos critérios devem valer no inventário de 2010. "Vamos avaliar a gestão global, incluindo coleta seletiva, cuidado com reciclagem, plano de disposição de inertes. O ponto de deposição do lixo será parte da nota", diz Savastano Neto. A disposição adequada do lixo é condição para a cidade ter selo de município verde, que dá prioridade no acesso a recursos públicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.