Dr. Hélio importou de MS seus homens de confiança

Nascido em Corumbá, prefeito de Campinas é amigo de infância de seu vice e de Aquino, delator do esquema na Sanasa

Fernando Gallo, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2011 | 00h00

Nascido e criado em Corumbá (MS), o prefeito Dr. Hélio colocou em postos-chave da prefeitura de Campinas pessoas que haviam exercido cargos em prefeituras e no governo de seu Estado natal, criando uma espécie de "República do Mato Grosso do Sul" no interior paulista.

Cinco desses homens de confiança do prefeito estão sendo investigados pelo Ministério Público. Três chegaram a ser presos: Aurélio Cance Jr., Ricardo Cândia e Demétrio Vilagra. Francisco Lagos teve a prisão decretada, mas conseguiu um habeas corpus enquanto estava foragido. O quinto investigado é Luís Augusto Castrillon de Aquino, que fez acordo de delação premiada.

Aquino e Vilagra são amigos de infância de Dr. Hélio. Os três se conheceram em um colégio em Corumbá. Aquino foi para a prefeitura campineira tão logo o amigo venceu a eleição. Ele afirmou ao Ministério Público ter participado do suposto esquema entre 2005 e 2008, época em que esteve à frente da Sanasa. Vilagra tornou-se vice na segunda gestão de Dr. Hélio, em 2009. Aos promotores, disse que os R$ 60 mil encontrados em sua casa eram provenientes da venda de dois carros e do saque de seus FGTS, e seriam usados para pagar dívidas de campanha.

Cândia foi prefeito de Corumbá entre 1993 e 1996. Tem contra si uma condenação por improbidade administrativa que suspendeu seus direitos políticos por cinco anos. Em março foi condenado a devolver R$ 361 mil aos cofres de Corumbá por ter aumentado ilegalmente o seu salário como prefeito.

Antes de migrar para Campinas, Aurélio Cance Jr. foi vereador em Campo Grande (MS) e presidente da Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul). Já Francisco de Lagos foi secretário nas prefeituras de Ponta Porã (MS), Campo Grande (MS) e Rondonópolis (MT), atuando, na maior parte do tempo, como em Campinas, na pasta da Comunicação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.