Duas reféns são mortas na região de Jundiaí

Duas moças foram executadas quando eram reféns de assaltantes na madrugada deste domingo na região de Jundiaí. O primeiro caso envolveu uma quadrilha que tentou roubar a Lojas Americanas, instalada no Maxi Shopping. A auxiliar de escritório, Sandra Michele Vasconcellos, de 19 anos, foi levada como refém pelos bandidos, depois de serem abordados pela vigilância do shopping. A Polícia Militar foi avisada e teve início uma perseguição, que terminou com dois assaltantes presos e a jovem morta com um tiro de pistola automática nas costas.O sargento da PM, Dorival José Orives, contou ao delegado Marco Antônio Ferreira Lopes que os assaltantes estavam em uma Fiorino e tinham cobertura de um Uno. Eles fugiram para a Avenida Navarro de Andrade, no Horto Florestal, onde teve início tiroteio. Foram presos apenas dois dos assaltantes: o ajudante Maxuel Barbosa da Silva, de 19 anos e o pintor Robson Oliveira Parazzi, de 27 anos, moradores no Jardim São Camilo, em Jundiaí. Os demais integrantes da quadrilha fugiram. O delegado determinou a apreensão das duas pistolas dos marginais e também das armas usadas pelos policiais, para perícia pela Polícia Científica.Segundo a família de Sandra, ela era funcionária das Lojas Americanas e estava no seu dia de folga, mas foi ao trabalho para desejar "feliz aniversário" a uma amiga. As colegas contaram que Sandra acabou ficando no lugar de uma moça, como refém, que passou mal. Ela residia no Parque Guarani, em Várzea Paulista.Também na madrugada deste domingo um casal de namorados foi dominado no carro em que estavam por três homens armados com facas. Eles trancaram o metalúrgico Anderson Lopes Ribeiro, de 24 anos, no porta-malas do seu veículo e, ficaram com a funcionária da Schincariol, Juliana Aparecida dos Santos Garcia, de 26 anos. Com os objetos de valor das vítimas, compraram e consumiram drogas. Depois, no bairro do Botujuru, ainda em Campo Limpo Paulista, na Estrada da Cachoeira, tiraram as roupas do casal e amarraram os dois juntos. Juliana foi morta com uma facada no pescoço. O namorado dela, Anderson, levou facadas no rosto, no peito e nas costas. Em seguida o bando jogou os dois no Rio Jundiaí. Anderson se fingiu de morto e foi socorrido posteriormente por populares. Anderson está internado, em estado delicado, no Hospital São Vicente de Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.