Duda Mendonça critica estratégia de 'transformar' candidata petista

Aclamado no PT como o guru do marketing político responsável pela campanha vitoriosa de Lula em 2002, o publicitário Duda Mendonça vê hoje um cenário mais favorável à eleição de Dilma Rousseff, mas considera que a insistência do partido em transformá-la no que ela não é aumenta o potencial de erros da petista.

, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2010 | 00h00

A avaliação, feita por ele na terça-feira durante o curso Os Profissionais de Marketing Político-Estrategistas, Criadores ou Bruxos?, promovido pela Casa do Saber, no Rio, coincide com o momento em que a coordenação da pré-campanha de Dilma tenta contornar problemas na retórica da ex-ministra e a submete a treinamento intensivo.

Oficialmente afastado de campanhas do PT após o escândalo do mensalão, Duda mantém laços com petistas, que o consultam em momentos de crise. "Não adianta mudar a Dilma. Ela tem que continuar a ser como ela é. Transformá-la em outra pessoa e deixá-la numa vestimenta desconfortável vai fazer com que ela volta e meia dê uma escorregada", disse.

"Poderia ser a vez do Serra se Lula não estivesse do outro lado. Serra é um grande político, ótimo governador. Mas Lula é tão popular quanto Padre Cícero. Se não é, chega bem perto", continuou. A despeito da previsão sobre o pleito, disse que não há riscos de retrocesso com a vitória de Serra ou de Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.