Dutra retorna ao PT e mudança ministerial entra na pauta

Petista retoma presidência após licença médica; vaga no Senado depende de acerto com PSB e PMDB sobre ministério

Christiane Samarco / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2011 | 00h00

O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, já marcou data para voltar ao comando partidário: ele próprio comunicou a correligionários que reassumirá o posto no dia 25 e seu retorno, depois de um mês de licença médica por conta de uma crise hipertensiva complicada por um distúrbio depressivo, pode deflagrar uma pequena reforma ministerial.

A cúpula do PT quer que o senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) aceite virar ministro da nova Secretaria da Micro e Pequena Empresa, para ceder a vaga no Senado ao primeiro suplente Dutra. Um dirigente do PSB afirma que ele não aceitará a troca e adianta que, se quiserem acomodar o petista no Senado, terão de destinar outro ministério ao socialista. Uma das alternativas pode ser a pasta do Turismo.

Valadares disse a vários correligionários que não sai do Senado "de jeito nenhum" e não esconde de ninguém sua irritação com a forma que o PT tratou da questão no Congresso e no Planalto. Para evitar o confronto com a presidente Dilma Rousseff, dirigentes do PSB sugerem, como "única saída para o impasse", uma negociação com o PMDB.

A solução passa pelo PMDB porque o deputado Pedro Novais (MA) foi escolhido para o Turismo para compor a cota peemedebista como representante da bancada do partido na Câmara. Mas, independentemente de haver ou não uma proposta de troca, não será fácil para Valadares recusar o convite. É que até o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se dispôs a entrar em campo para convencer o senador do PSB.

Lula está preocupado com o bem-estar físico e político de Dutra, que ficou fora do ministério. Para resolver o problema do petista, Lula já avisou à presidente Dilma Rousseff que vai conversar com Valadares.

É sabendo da dificuldade de dizer não a Lula que o PSB está preocupado em evitar a "saia-justa" com o ex-presidente. "Pode ser que interesse ao PMDB fazer a troca e ficar com a Secretaria da Micro e Pequena Empresa", avalia o dirigente socialista. Mas tudo isto terá de ser negociado pelo próprio governo, a depender do interesse em resolver a vida do presidente do PT.

O PSB não vai se movimentar até porque Valadares tem repetido que está felicíssimo no Senado. O que incomoda o socialista é a "inabilidade do PT" que, em vez de prestigiá-lo com um convite para integrar o ministério, colocou-o na desconfortável posição de desocupar a cadeira de senador para o presidente do partido.

A aposta dos socialistas é a de que ver Pedro Novais fora da Esplanada dos Ministérios também pode agradar o Palácio do Planalto, que se livraria do desgaste de ter um ministro acusado de pagar um motel com verba da Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.