'É desonestidade intelectual', reage tucano

"Eles são discípulos do Lula, seguidores do Lula, tanto que as centrais foram beneficiadas com recursos do imposto sindical. São assalariadas do governo", reagiu o deputado Arnaldo Madeira (PSDB-SP) ao posicionamento dos presidentes da Força Sindical e CUT.

, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2010 | 00h00

De acordo com o deputado, é "lamentável" que, por sua relação simbiótica com o PT, os sindicalistas tenham "perdido a capacidade de isenção". "Eles não sabem separar a política das entidades representativas de segmentos do trabalho. Acho lamentável que eles tenham perdido a capacidade de isenção, de separar a política das entidades representativas de segmentos do trabalho", observou. O deputado atribui aos dirigentes sindicais uma "desonestidade intelectual" pelos ataques diretos à campanha tucana, especialmente por afirmar que Serra "tiraria os direitos do trabalhador". "Há duas campanhas eles fizeram uma lista de deputados que teriam votado para acabar com o 13º salário. Eles fazem isso. É a marca da desonestidade intelectual. Para eles o que vale é atribuir ao adversário tudo para ele se explicar." Sobre a indiferença do deputado Paulo Pereira da Silva com a lei eleitoral, Madeira foi sucinto. "Ele não liga para isso." / R.A.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.