''É difícil escapar do conflito entre imprensa e poder''

Cremilda Medina, jornalista e professora da ECA-USP

Flávia Tavares, O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2010 | 00h00

Baseado em um seminário sobre liberdade de expressão realizado no Memorial da América Latina, em março, será lançado hoje o livro Liberdade de expressão - Direito à informação nas sociedades latino-americanas, organizado por Cremilda Medina. Ao Estado, ela falou sobre os cerceamentos à imprensa no Brasil e no continente.

A liberdade de imprensa está ameaçada?

Jamais podia imaginar que esse tema voltaria à pauta em pleno século 21. Mas há sintomas muito claros disso na América Latina: na Venezuela, Bolívia, Equador e Argentina.

O Brasil está nesse cenário?

Há depoimentos fortes no livro, como o do jornalista Alberto Dines, que fez um relato sobre cerceamentos na imprensa brasileira até os dias de hoje. O caso do Estado, exposto pelo jornalista José Maria Mayrink, é exemplar. Fez emergir essa ferida da sociedade autoritária. É o que está acontecendo em alguns Estados brasileiros, que querem conselhos de intervenção na comunicação.

A senhora é contra esse tipo de interferência?

Não me oponho a um conselho social de discussão de comunicação. O problema é que esses conselhos são aparelhados, governamentais e partidários. Isso não se pode admitir.

Os ânimos entre imprensa e poder estão mais acirrados?

Não há como escapar dos conflitos inerentes a essa relação. Eles são vocalizados pelo Executivo, Legislativo ou pelo Judiciário. Mas temos uma Constituição e alguns elementos que nos indicam que há uma autorregulação. Os próprios profissionais têm uma responsabilidade social. O importante é trabalhar na formação de jornalistas responsáveis eticamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.