É esclarecido caso da família executada em ritual satânico

Dois homens e duas mulheres foram presas por policiais da Delegacia Seccional de Taboão da Serra, sob a acusação de terem participado de rituais satânicos, na noite do dia 18 de dezembro, que resultaram na execução de um casal e de suas duas filhas, uma de 8 anos e outra de 5, em Embu-Guaçu, na Grande São Paulo. As quatro vítimas foram executadas com golpes de faca e abandonadas num matagal naquele município. Os presos serão apresentados pelo delegado seccional, no início da tarde desta sexta-feira. Os cadáveres do homem e da mulher - até então não identificados - foram encontrados na madrugada do dia 19, numa rocha em declive, na Rua Servidão, no bairro Itararé. Ambos tinha sido degolados e apresentavam cortes por faca em outras partes do corpo. Próximo deles, haviam lençóis e cobertores que foram utilizados para o transporte dos corpos até aquele local ermo. No dia seguinte, os mortos foram identificados como sendo João Evaristo Neves e sua mulher Regina Simões das Neves. Parentes informaram a polícia que as filhas deles, Evelyn Carolyne, de 8 anos, e Janaína Helena, de 5, também havia desaparecido.No dia 21, os policiais obtiveram informações sobre o principal suspeito do crime de prenome Ronie, recém saído da cadeia e viciado em drogas que, segundo a família, pertence a uma seita de adoradores de Satã. A pedido da polícia, uma irmã dele telefonou-lhe e mentiu dizendo que a mãe fora presa como suspeita do crime. Ele protestou dizendo que a mãe não estava envolvida com a história e admitiu ser o autor dessa chacina. Explicou o os corpos das crianças estavam cerca de 200 metros de onde foram encontrados os cadáveres dos pais. Pouco depois a polícia encontrou as meninas mortas no local indicado. Os policiais conseguiram desvendar todo o caso e identificar, localizar e prender os envolvidos nesse crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.