'É estarrecedor', diz chefe do STJ sobre processos da PF

"É impressionante, estarrecedor", declarou o ministro Cesar Asfor Rocha, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao comentar o número de inquéritos da Polícia Federal relativos a crimes contra a administração pública - estão em curso 29.839 procedimentos sobre peculato, corrupção, fraudes em licitações, emprego irregular de verbas públicas e outros.

Fausto Macedo, O Estadao de S.Paulo

16 de março de 2010 | 00h00

Em São Paulo, onde recebeu ontem o título de cidadão paulistano, Asfor Rocha defendeu a proposta da PF para criação de duas divisões com atribuições específicas de combate à malversação. "A especialização conduz a uma atuação mais racional e profissional", disse o ministro. "A Justiça instalou varas especializadas em lavagem de dinheiro."

Para ele, o grande volume de inquéritos "se justifica pela atuação permanente" da PF e órgãos fiscalizadores, como Ministério Público, Tribunal de Contas e Controladoria da União.

O delegado Roberto Troncon Júnior, diretor da Divisão da PF de Combate ao Crime Organizado, anotou que as divisões permitirão a concentração de investigações sobre corrupção, direcionamento da capacitação e a especialização de policiais.

Troncon destacou que não haverá necessidade de verba suplementar porque as unidades estão previstas no orçamento da PF. Ele afirmou que a estratégia da PF é mirar grandes organizações que causam os maiores danos ao patrimônio público e desvios de maior volume de dinheiro. "A partir da especialização podemos contar com uma rede interna em nível nacional para esse tipo de investigação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.