É grave estado da mulher de diretor da Shell encontrado morto

A mulher do diretor da área de Gás e Energia da Shell, Todd Staheli, de 39 anos, morto na manhã de hoje em sua casa, num condomínio da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, encontra-se em estado extremamente grave. Michelle, de 34 anos, foi levada ao hospital Copa D´Or, em Copacabana, depois de receber os primeiros socorros no Hospital Municipal Miguel Couto, e está neste momento no centro cirúrgico. Ela recebeu um golpe na face, que provocou traumatismo craniano e ferimentos profundos na região do nariz e dos olhos. Michelle apresentava diversos pontos de sangramento na face quando chegou ao hospital.Staheli foi encontrado agonizante às 6h30 pela filha mais velha, de 13 anos, ao lado da mulher. Os ferimentos nos dois foram causados por um objeto cortante, possivelmente um machado. Informações preliminares indicam que não havia sinais de roubo ou arrombamento na casa.Staheli era norte-americano e chegou ao Brasil há três meses e meio para ocupar a direção na Shell, onde cuidava, entre outras coisas, do controle da distribuidora de gás canalizado de São Paulo, Comgás. A empresa foi comprada em 1998 por um consórcio formado pela Shell e pela britânica BG. O casal tem quatro filhos, com idades entre 3 e 13 anos. Nenhuma das crianças sofreu agressão. O caso está sendo investigado pela 16ª Delegacia de Polícia, da Barra da Tijuca. O delegado Marcos Henrique passou parte do dia na casa do executivo e, no fim da tarde, iniciou os depoimentos com os empregados. A Shell está trazendo, dos Estados Unidos, parentes das vítimas para acompanhar o tratamento de Michelle e cuidar das crianças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.