''É hora de Mantega dar satisfação'', cobra Marina

Candidata do PV lança campanha para que internautas se manifestem sobre o vazamento de dados de tucanos

Roldão Arruda, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2010 | 00h00

A candidata do PV à Presidência da República, senadora Marina Silva, lançou ontem pela internet uma campanha para que os internautas se manifestem a respeito do vazamento de informações sigilosas da Receita Federal e contra o silêncio do ministro da Fazenda. "É hora de o ministro Guido Mantega quebrar o silêncio, vir a público, para dar uma satisfação à sociedade brasileira", disse a candidata no pronunciamento que gravou especialmente para tratar do assunto e que foi divulgado por meio de seu site de campanha.

Ela cobrou a "investigação séria" do vazamento e a punição dos culpados. O pronunciamento foi gravado pela manhã, logo após ter concedido entrevista à Rádio Jovem Pan, na qual afirmou que, "se fosse nos Estados Unidos, na Europa, em qualquer canto", o ministro da Fazenda já estaria dando depoimento no Congresso.

Na primeira do parte do pronunciamento, Marina cobrou transparência: "Esse lamentável episódio do vazamento de informações sigilosas envolvendo mais de 140 pessoas pela Receita Federal não pode continuar sendo tratado da forma como vem sendo tratado. É fundamental uma investigação rigorosa, transparência para que a sociedade brasileira possa saber o que de fato está acontecendo e a punição dos culpados com todo o rigor que a lei favorece que aconteça. Não se pode admitir que numa situação como essa o ministro da Fazenda fique em silêncio - uma verdadeira atitude de omissão, sem dar uma palavra sobre um episódio com esse nível de gravidade."

Marina não fez menção à suspeita de que existiria ligação entre o escândalo e a campanha de Dilma Rousseff. Afirmou, no entanto, que o episódio contamina o pleito e fragiliza a população: "Estamos vivendo uma situação eleitoral e, obviamente, isso ganha um contorno eleitoral. Mais do que isso, centenas de pessoas já estão fragilizadas em relação à quebra de seus sigilos fiscais e milhões de brasileiros também estão fragilizados, porque ninguém sabe o que de fato está acontecendo na Receita."

Para a candidata, só a investigação e a punição podem frear a insegurança: "O freio, repito, é transparência, investigação e punição dos culpados."

Arrecadação. A coordenação da campanha da candidata do PV divulgou ontem os valores arrecadados em agosto. Totalizaram R$ 8,9 milhões - quase o dobro dos R$ 4,7 milhões obtidos em julho. Nos dois meses, a campanha levantou R$ 13,6 milhões.

Mais da metade desse valor foi doado por pessoas físicas, que contribuíram com R$ 7,1 milhões. As doações por meio da internet foram de R$ 74 mil. As 19 pessoas jurídicas que contribuíram com a campanha em agosto doaram R$ 6,5 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.