E no 3º dia a mulher toma rédeas da criação

São elas que estão à frente de grifes como Água de Coco, Ellus e Triton

DEBORAH BRESSER, EDUARDO DIÓRIO E ANDRESSA ZANANDREA, O Estadao de S.Paulo

20 de junho de 2009 | 00h00

O terceiro dia foi das criadoras na SPFW. Com exceção de Reinaldo Lourenço, que fez o desfile mais impactante do dia, as demais grifes que estavam no line-up têm mulheres à frente do estilo. Simone Nunes, Água de Coco por Liana Thomaz, Carlota Joakina, sob a batuta de Marilia Biasi e Camila Bertolote, Fabia Bercsek, Ellus, por Adriana Bozon, e Triton, por Karen Fuke.   Confira especial do SPFWNenhuma, no entanto, tem um olhar mais preciso para a moda feminina do que Reinaldo, que consegue ter um estilo marcante e se renovar a cada temporada. A mulher proposta pelo estilista vem, como sempre, romântica e a modelagem marca o corpo com elegância.A tarde começou com Simone Nunes, que mostra o desejo de fisgar uma consumidora mais jovem. Ela costumava fazer coleções para mulheres maduras. Dessa vez, a meninada vai usar a cintura altíssima (mínis, shorts e calças) e as divertidas estampas de tartaruga nos tops e regatas. Liana Thomaz inspirou-se na Tailândia para fazer sua coleção de moda praia, que chega com jeito de roupa de passeio, com biquínis que trazem golas, mangas e palas. As modelagens são amplas em calças-sarongue, vestidos quimonos e capas. Trançados, drapeados e nervuras fazem a diferença nos biquínis e maiôs. No casting, tops como Leticia Birkheuer, Isabeli Fontana, Claudia Michels, Michele Bittar e Raica. À frente da Carlota Joakina, segunda marca de Gloria Coelho, da G, as estilistas Marília Biasi e Camila Bertolote se inspiraram nos parques aquáticos para criar recortes, sobreposições com tiras de tecidos, curtinhos como sempre e ombros estruturados. Há aplicações de origami e bolsas-boia no braço, como as de crianças. Fabia Bercsek deixou de lado o visual rock e apostou num clima mais suave, ligado ao universo da dança. A inspiração vem dos looks clássicos femininos, porém, repaginados para a consumidora atual. Teve um pouco de tudo: vestidões com aplicações, mínis com tachinhas, coletes que serviam tranquilamente como vestidos, blusas com amarrações. Provavelmente por conta de seu tema de inspiração, as peças eram fluidas, com babados e franjas.A Ellus abriu seu desfile no melhor estilo Motoqueiro Fantasma - sons e luzes anunciaram o que estava por vir na passarela: uma releitura das roupas de motociclistas. Sarja e jeans vêm ao lado de ilhoses, zíperes e correntes. Os jeans são claros, azul bem bleached, como nos anos 1980. Com um ar despojado, eles são puídos, lixados e desgastados. O couro, um must have dos motoqueiros, vem bem leve, nas luvas e também nas roupas.Com pitadas do universo folk, a Triton apresentou um verão bucólico, em tons pastel, formando uma coleção romântica, bem longe da proposta rock da edição de inverno. Muitos babados, rendas e estampas fofas, na linha "sofá da vovó", fizeram parte dos looks femininos desenvolvidos pela estilista Karen Fuke. Os tecidos fluidos, malhas leves e muitas camadas fizeram par com sandálias altíssimas com meias. Já para os rapazes, a criadora apostou em peças despojadas, com jeans bem largos e paletós estampados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.