?E o Tim Lopes, não veio??, gritaram detentos de Bangu 5

Os presos da Casa de Custódia Bangu 5, no complexo penitenciário de Bangu, na zona oeste do Rio, exigiram a presença da imprensa para encerrar o motim, nesta quinta-feira. Encapuzados, os detentos ocuparam o telhado do presídio e faziam com as mãos o símbolo de uma facção criminosa que atua no Rio. "E o Tim Lopes? O Tim Lopes não veio?", gritavam os presos, referindo-se ao jornalista da Rede Globo, assassinado por integrantes do mesmo grupo criminoso.Os presos se renderam hoje, depois de 21 horas de rebelião. Eles libertaram quatro reféns e entregaram uma pauta de reivindicações para ser encaminhada à governadora Benedita da Silva (PT) e outras autoridades. Uma cópia da carta foi entregue aos repórteres. Segundo a polícia, os amotinados estavam armados de pistola, revólver, granada e estoques (facas artesanais). Eles mantiveram um policial militar amarrado a um botijão de gás, que ameaçavam explodir. Os rebelados negaram estar armados.A rebelião começou às 16 horas de quinta-feira, depois de uma tentativa de fuga frustrada por um sargento da Polícia Militar, que percebeu a movimentação dos presos. Os detentos, então, fizeram como reféns uma defensora pública, duas funcionárias da cantina, um agente do Departamento do Sistema Penitenciário (Desipe) e um soldado da PM. Eles tentaram ainda atacar 12 detentos de uma facção criminosa rival, que estavam na chamada cela do "seguro", destinada aos jurados de morte.A defensora pública Maria Helena dos Santos Viana, que trabalha na triagem dos presos já condenados para a transferência deles para penitenciárias, entrou em pânico e desmaiou. Ela sofre de pressão alta e acabou liberada pelos presos na noite de ontem. Durante a rebelião, os presos destruíram as grades divisórias dos corredores. Eles disseram que as portas das celas já estavam empenadas, o que foi confirmado pelo coordenador de gerenciamento de segurança da Secretaria de Segurança Pública, coronel Aloísio Guedes. A casa de custódia abriga 496 detentos, entre eles Márcio Greik Lima dos Santos, que chegou a ser resgatado do Hospital Geral de Bonsucesso por 20 homens em março do ano passado e foi recapturado posteriormente. A capacidade da unidade é de 500 homens.ReivindicaçõesEntre as 21 reivindicações dos presos estavam a transferência para penitenciárias dos presos já condenados, a remoção dos detentos da facção rival (já atendida), melhorias na alimentação, e redução dos preços na cantina, além de mais dias de visita. Guedes disse a secretaria tentará atender às reivindicações.Além da Polícia Militar, o pastor evangélico Marcos Pereira acompanhou as negociações. A atuação do religioso foi criticada pelo comandante do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Sérgio Wolf Meinick. "Quando as coisas se acalmavam, ele excitava os presos com rituais de exorcismo e gritos de aleluia", afirmou. O pastor alegou já ter atuado como negociador em várias rebeliões, sempre com êxito.Situações de tensão nos presídios do complexo estão cada vez mais freqüentes. No começo de agosto, o comandante de PM, coronel Francisco Braz, determinou o afastamento da direção de três casas de custódia do complexo penitenciário de Bangu, após a fuga de 58 presos da Casa de Custódia Jorge Santana. Só este ano, 105 presos já escaparam de lá. Em julho, 26 presas se rebelaram e mantiveram uma agente penitenciária refém durante dezessete horas no presídio feminino Talavera Bruce.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.