É proibido estacionar

Sou morador da Rua Pedroso Alvarenga, no Itaim Bibi, e vi agentes da CET colocando placas de "proibido estacionar" no lado direito do último quarteirão dessa via. Esse quarteirão é estritamente residencial e nenhum morador foi informado sobre o motivo da proibição. Todos foram pegos de surpresa. O mínimo que a Secretaria de Transporte da Prefeitura deveria ter feito era nos notificar. Muitos moradores e eu estamos indignados com o fato e gostaríamos de saber o real motivo da proibição e por que não fomos informados sobre isso. Alguns anos atrás conseguimos por meio de abaixo-assinado que fosse retirada a Zona Azul, cujas placas foram colocadas na surdina durante uma madrugada, e logo nas primeiras horas agentes da CET já estavam multando os veículos estacionados. A proibição não se justifica. Nós estamos prontos para brigar por nossos direitos! CARLOS O. N. A. DE OLIVEIRASão PauloAdele Nabhan, do Departamento de Imprensa da CET, informa que, no dia 6 de maio, a CET alterou as regras de estacionamento em várias ruas do Itaim-Bibi. Esclarece que a medida foi adotada visando a aumentar a fluidez do trânsito na região e que o bairro foi escolhido por concentrar um alto volume de tráfego aliadoa um grande fluxo de pedestres por causa da forte presença de comércio, escritórios e residências. Ressalta que as mudanças foram amplamente divulgadas pela imprensa desde o final de abril. Mesmo assim, diz, durante o processo de adaptação às novas sinalizações, os agentes da CET estão orientando os motoristas e moradores sobre as novas regras. Cidadãos esquecidosOs pagamentos de precatórios municipais estão no ano de 1998 e são feitos apenas para pequenos valores. Mesmo com ações ganhas em todas as instâncias, não há previsão ou prazo para o pagamento. Isso é inconstitucional. Estão surgindo escritórios que tentam comprar os precatórios por 30% do valor real, dado o descaso do Estado de São Paulo quanto ao que deve aos cidadãos! Não há nada a fazer? As pessoas morrem sem receber o que lhes é devido? As respostas dadas pela Ouvidoria da Secretaria da Fazenda são respostas-padrão. Apenas os precatórios federais estão em dia. Por que será? A imprensa é nossa única esperança para que algo seja feito.MARIA LUISA CARDOSO DE OLIVEIRASão PauloDepois de esperar 20 anos pelo pagamento de seus precatórios, meu marido, o sr. Ivo Alpiste, faleceu em 2/12/1988. Minha advogada recorreu à Justiça e lhe foi informado que o pagamento seria efetuado no ano 2000. Mas já se passaram 9 anos e nada foi feito. Eu vou fazer 72 anos e estou com a saúde debilitada. Peço às autoridades deste país, principalmente ao nosso governador, atenção ao pagamento dos precatórios, pois com o salário de pensionista não é possível nem sobreviver.SIMONI BROSASão PauloAtendimento especialEstive na agência da Nossa Caixa do Fórum João Mendes para pagar um taxa jurídica, mas fui impedido de entrar por um funcionário que disse que o atendimento era até as 16 horas, mesmo para o pagamento dessas taxas, exceto para advogados. Pedi ao funcionário para chamar o gerente, mas ele se negou. Por que não há um aviso na porta?RICARDO JOSÉ MENDES DIASSão Paulo A Assessoria de Imprensa do Banco Nossa Caixa lamenta os transtornos ocorridos e informa que o horário de atendimento ao público da agência Clóvis Bevilacqua, localizada no Fórum João Mendes, é das 10 às 16 horas, período em que a maioria das agências bancárias da capital trabalha. O banco esclarece que há um cartaz, afixado na porta de entrada da unidade, que informa o período de atendimento ao público. A Nossa Caixa esclarece ainda que essa agência realiza plantão de atendimento restrito a advogados, das 16 às 19 horas, para recolhimento de custas judiciais e efetivação de depósitos judiciais. Essa medida foi adotada em 1995 a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e foi autorizada pelo Banco Central do Brasil.Expresso AeroportoLi no Estado matéria sobre o trem Expresso Aeroporto (12/5, C1) e queria saber das autoridades: teremos realmente dois trens de alta tecnologia andando paralelamente? Um deles será federal e o outro, estadual? Como sei que os investimentos são altíssimos, não haveria possibilidade de unificá-los? Também gostaria de saber se já fizeram pesquisas para saber se a população iria de trem ao aeroporto. Tenho minhas dúvidas. RICARDO ALGRANTI São PauloAs cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.