'É um constrangimento', diz chefe de delegacia lacrada no Rio por Corregedoria

Draeco forneceu subsídios para operação da PF que prendeu o ex-subchefe da Polícia Civil

Pedro Dantas, O Estado de S. Paulo

14 de fevereiro de 2011 | 15h51

RIO - O Delegado Titular da Delegacia de Repressão às Atividades Criminosas Organizadas (Draco), Claudio Ferraz, classificou como constrangedora a ação da Corregedoria de Polícia Civil, que lacrou a delegacia no início da noite de domingo e fez apreensões na manhã de hoje de inquéritos e documentos. No entanto, ele disse que a operação não o surpreendeu.

Veja também:

linkTitular de delegacia fechada no Rio insinua retaliação por operação da PF

linkNo Rio, 35 são presos suspeitos de envolvimento com crime organizado

 

"Não me surpreende e na hora adequada podemos conversar, mas não agora", declarou na porta de delegacia, no início da tarde de hoje. A Draco forneceu subsídios para a Polícia Federal na Operação Guilhotina, que prendeu o ex-subchefe de Polícia Civil, Carlos Oliveira, na semana passada.

 

"É uma questão do chefe de Polícia. Ele deve ter os seus motivos para agir desta forma. Estou tomando conhecimento do que está acontecendo para depois, se for o caso, eu prestar declarações", disse Ferraz. Em seguida, ao ser questionado sobre a situação, ele foi taxativo. "É um constrangimento. Não há a menor dúvida", afirmou. Ferraz negou que a delegacia tenha sido fechada. "Os acessos estão franqueados e a Corregedoria está fazendo o trabalho que foi determinado", alegou.

 

O delegado da Draco aparentou tranquilidade ao ser informado das declarações do chefe de Polícia Civil, Allan Turnowski, que revelou que o material apreendido esta manhã revelaria irregularidades na Draco, como extorsões a empresários de Rio das Ostras, na Região dos Lagos, Japeri e São Gonçalo. "Naturalmente, as pessoas que afirmaram isto vão se apresentar e será apurado. No momento, é uma especulação e não posso ampliar uma especulação", declarou.

 

 

De acordo com o chefe de Polícia Civil, os policiais da Draco cobravam propina para arquivar inquéritos. Ferraz negou qualquer rivalidade ou disputa pela Chefia de Polícia Civil com Turnowski. "Se há rivalidade, eu desconheço", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.