Ueslei Marcelino/ Reuters
Ueslei Marcelino/ Reuters

Economia informa que Guedes recebeu Alcolumbre para discutir 'calamidade' no Amapá

Formalmente, o Estado decretou apenas situação de emergência; a calamidade permite ao governo federal antecipar pagamentos de benefícios

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2020 | 17h10

Brasília - O ministro da Economia, Paulo Guedes, recebeu o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para discutir a “calamidade no Estado do Amapá”. A reunião ocorreu às 14h45, não constava na agenda oficial e foi informada pela assessoria de imprensa apenas depois do fim do encontro.

O Amapá sofreu o primeiro apagão no dia 3 de novembro. Antes mesmo de o problema ser solucionado, um segundo apagão ocorreu no último dia 17. A população convive com o racionamento de energia, enquanto o restabelecimento ainda não chega a 100%. Diante da situação, Alcolumbre, que é do Amapá, tem pressionado por ajuda federal.

Formalmente, o Estado do Amapá decretou apenas situação de emergência - não calamidade, como diz a agenda do ministro Paulo Guedes.

Segundo apurou o Broadcast, órgãos do governo federal estão preparados, em modo de espera, para o caso de o governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), decretar calamidade pública.

A calamidade permite ao governo federal antecipar pagamentos de benefícios como aposentadorias, benefícios assistenciais como BPC e Bolsa Família.

 O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) tem instrumentos para reconhecer de forma sumária a situação de calamidade, antes mesmo da apresentação de documentos requeridos por lei para comprovar a situação, o que agiliza o processo. Mas o pedido precisa partir do poder local.

 Na reunião de hoje com Guedes, Alcolumbre foi alertado que o decreto de calamidade precisa partir do governador.

 Nos últimos dias, diferentes áreas da equipe econômica foram acionadas para mapear o que é possível fazer para dar suporte à população no Amapá.

 Um dos focos é evitar que a solução passe por uma prorrogação do auxílio emergencial, criado para a crise da covid-19. A avaliação é que esse caminho abriria precedentes para outros Estados solicitarem o mesmo tratamento, pressionando ainda mais o caixa da União.

 A intenção dos técnicos é agir dentro do que já existe para situações de calamidade, como as antecipações de benefícios, justamente para evitar abrir brechas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.