'Economist' alerta para 'triunfalismo' em pacificação de favelas no Rio

Reagrupamento do tráfico, corrupção policial e milícias são desafios das autoridades, opina revista

BBC Brasil, BBC

03 de dezembro de 2010 | 08h45

LONDRES - Os anúncios de "liberação" das favelas cariocas do Complexo do Alemão e a vitória sobre as gangues de traficantes serão "mero triunfalismo" se o governo não for bem-sucedido em manter o território, opina última edição da revista Economist em uma análise sobre as recentes operações policiais e militares no Rio.

 

Veja também:

linkPreso suposto chefe do tráfico na Favela da Fazendinha

linkSuspeitos são baleados em perseguição e um morre no Rio

linkZeu e outros cinco acusados de tráfico já estão em Catanduvas

linkMarinha retira todos os blindados do Complexo do Alemão

linkFugitivos do CV estariam espalhados por favelas do Rio

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

especialINFOGRÁFICO - O mapa das facções cariocas

tabela CRONOLOGIA - A crise de violência carioca

"Apesar de os traficantes terem sido claramente pegos de surpresa (pelas operações), eles certamente se reagruparão. Seu negócio (o tráfico de drogas) é muito lucrativo para ser abandonado sem uma luta maior", diz a revista, acrescentando que as gangues "podem contar com aliados entre policiais corruptos".

Outras "grandes inimigas do Rio" são as milícias, "controladas por policiais aposentados e fora de serviço que agora controlam tantas favelas quanto os traficantes", continua a Economist.

Mas a revista faz a ressalva de que, pela primeira vez, há "vontade política de estender a cidadania às favelas" e que os moradores locais começam a acreditar que talvez possam contar com o Estado.

Ao falar das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs ), a reportagem diz que o modelo "envolve um ultimato para a saída dos criminosos (da favela), seguido de meses de forte patrulhamento e a chegada de recrutas novos e especialmente treinados para policiamento comunitário 24 horas por dia".

'Ponto de virada'. O resultado é que, apesar de o tráfico de drogas continuar a existir nesses locais, "ele é mais discreto, e os traficantes deixam de carregar armamento pesado". Caem os números de assassinatos e de crimes como prostituição infantil, diz a Economist, e crescem as expectativas por melhores escolas, atendimento médico e opções de lazer.

Para a revista, muitos cariocas viram os acontecimentos recentes no Rio como "um ponto de virada em uma cidade que sofreu com décadas de má governança". "Por décadas, a polícia entrou (nas favelas) após episódios de violência em busca de vingança (contra traficantes), para depois recuar deixando para trás corpos e as gangues, que retornavam aos seus negócios. Mas, no mês passado, quando gangues começaram a atear fogo em carros, a resposta das autoridades foi diferente", relata a Economist sobre as operações policiais no Alemão.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.