Economista sugere saída: em vez de pagar, investir

BRASÍLIA

Lu Aiko Otta, Renato Andrade/ BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2010 | 00h00

Em vez de pagar a dívida ao Tesouro Nacional, os Estados poderiam fazer novos investimentos, que seriam considerados como pagamento do débito. Eles fariam parte de um programa entre governo federal e estaduais para fortalecer a infraestrutura. Essa é a proposta do economista Geraldo Biasoto Junior para aliviar a situação dos Estados.

A conversão de dívida em investimento atingiria apenas a parcela da receita estadual que é gasta como pagamento dos juros. As obras seriam decididas conjuntamente e tocadas pelos governos estaduais. "O governo federal perderia uma receita financeira. Mas o que importa para a sustentabilidade e credibilidade das contas públicas é a gestão dos fluxos não-financeiros."

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, já rejeitou a proposta de rever os contratos de refinanciamento das dívidas, mas apontou alguns caminhos aos governadores. Uma das saídas seria tomar um empréstimo no exterior, com custos mais baratos, e quitar antecipadamente a dívida renegociada com o Tesouro.

A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, tomou esse caminho e conseguiu, segundo o ministro, uma melhora de US$ 220 milhões em seu fluxo de caixa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.